Galp aposta na inovação colaborativa e já gere um portefólio de 75 milhões de euros

Ana Casaca, Global Head of Innovation da Galp, e João Diogo, Head of B to C da Galp, falavam durante a conferência “Stratups: o motor de inovação do mundo corporate”, promovida pela Microsoft Portugal e da qual o Jornal Económico é media partner.

A Galp está a apostar no desenvolvimento de processos colaborativos para o investimento na inovação, e gere já um portefólio de 75 milhões de euros, afirmou Ana Casaca, Global Head of Innovation da Galp, na conferência “Startups: o motor de inovação do mundo corporate”.

O investimento na inovação é considerado essencial para garantir o desenvolvimento da empresa, num sector em profunda mudança, devido ao processo de transição energética.

“Uma das coisas fantásticas de estar no sector energético, enquanto empresa inovadora, é que, de facto, 50% das soluções que vão ser necessárias para chegarmos a 2050 com um portfólio descarbonizado ou não estão inventadas ou então estão num estado de desenvolvimento muito prematuro”, disse Ana Casaca.

“Portanto, no nosso sector, temos de abraçar a inovação de uma forma diária, porque este caminho vai ter que ser feito com as universidades, com startups, porque vamos ter que fazer este caminho de uma forma conjunta e vai ser um caminho de aprendizagem”, defendeu.

“Vamos ter que aprender com os clientes, com o mercado e ter esta capacidade e agilidade de experimentar e de adaptar, que é algo que numa cultura tradicional corporate não era muito existente. Hoje em dia, se nós queremos estar aqui em 2050, temos, de facto, de ter esta cultura de experimentação”, acrescentou.

A Galp dispõe de três centros de inovação, que funcionam como espelho das unidades de negócio da empresa. “Naturalmente, esta inovação faz-se em parceria, de uma forma totalmente aberta com o ecossistema de inovação”, explicou Casaca.

“Temos já uma longa história de inovação aberta e de uma forma colaborativa. Atualmente, o portfólio de projetos da Galp tem uma valorização de 75 milhões de euros de projetos ongoing e todos de uma forma colaborativa e feitos em parceria”, apontou.

Repensar o retalho

Um dos exemplos de parceria é desenvolvido com a Sensei, uma startup que está a desenvolver soluções para retalho, o que resultou já numa loja-piloto em operação.

“Este piloto, temos vindo a trabalhar nele já há algum tempo, com a Sensei, no âmbito de um desafio que temos de reestruturação e de remodelação do nosso conceito de retalho, cada vez mais virado para o cliente, não só no conteúdo que oferecemos nas nossas lojas, mas também na forma como podemos oferecer”, explicou João Diogo, Head of B to C da Galp. “A forma como as equipas de inovação se integram com as equipas de negócio é fundamental para criarmos esta parceria internamente”, disse.

João Diogo, que também lidera a empresa portuguesa no mercado espanhol, sublinhou que a empresa aposta na experimentação, procurando aprender com as soluções que desenvolve. “Esta loja tem um sentido muito prático na maneira como os clientes podem entrar e sair, de uma forma ágil, simples, uma forma autónoma, e é um piloto que pode ser alargado e que pode, no limite, até ser um piloto móvel, que pode, até, circular para outros pontos da Península Ibérica”, explicou.

Ana Casaca e João Diogo falavam durante a conferência “Stratups: o motor de inovação do mundo corporate”, promovida pela Microsoft Portugal e da qual o Jornal Económico é media partner, que foi transmitida esta quinta-feira, 23 de junho.

A conferência contou também com a participação de Diogo Pinto Sousa, diretor-executivo para Small Medium and Corporate Markets da Microsoft Portugal, e de Vasco Portugal, CEO da Sensei.

Relacionadas

Crescimento do empreendedorismo é oportunidade para criar marcas globais – Diogo Pinto Sousa

Conferência “Startups: o motor de inovação do mundo corporate”, promovida pela Microsoft Portugal e da qual o Jornal Económico é media partner, debateu a importância das startups para as grandes empresas e a forma como estas as integram no seu processo de inovação.

Papel das startups na inovação das grandes empresas vai estar hoje em debate (com áudio)

Conferência vai abordar os ecossistemas de inovação em Portugal, a forma como as grandes empresas gerem os processos de inovação e os desafios que se colocam às startups.
Recomendadas

PremiumEmpreendedores aceleram inovação nas grandes empresas

Portugal tem um enquadramento propício ao empreendedorismo, que é aproveitado pelas corporações para acelerarem os seus processos de inovação. Projeto da Galp com a Sensei para o retalho é um exemplo deste tipo de parceria.

Premium“A prazo, todos pagamos” problema da precariedade, diz Renato do Carmo

Precariedade impacta a sustentabilidade da Segurança Social e retira o papel de inclusão social ao trabalho, defende o investigador.

Sensei quer ser maior player mundial em lojas autónomas – Vasco Portugal

Conferência “Stratups: o motor de inovação do mundo corporate” contou também com a participação de Ana Casaca, Global Head of Innovation da Galp; João Diogo, Head of Retail da Galp; e Diogo Pinto Sousa, diretor-executivo para Small Medium and Corporate Markets da Microsoft Portugal.
Comentários