Galpgate. Ex-secretários de Estado poderão ser acusados no âmbito das viagens ao Euro 2016

A juíza Cláudia Pina, do Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa, recusou o pedido de suspensão provisória do processo. O processo-crime contra os ex-secretários de Estado, Rocha Andrade, João Vasconcelos e Jorge Costa Oliveira e contra o ex-assessor de António Costa e poderão ser acusados pelo crime de recebimento indevido de vantangem.

Cristina Bernardo

O processo-crime contra os arguidos e ex-secretários de Estado Fernando Rocha Andrade, João Vasconcelos e Jorge Costa Oliveira e contra um ex-assessor de António Costa vai continuar depois de a juíza Cláudia Pina, do Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa, ter indeferido o pedido de suspensão provisória do processo, noticia o jornal online “Observador”.

Ao “Observador”, a desembargadora Amélia Correia de Almeida, presidente do Tribunal Judicial da Comarca de Lisboa, explicou que a decisão da juíza de instrução criminal “não é recorrível” e que “a consequência é o prosseguimento dos autos” contra os arguidos.

“A consequência será o prosseguimento da investigação e uma provável acusação contra os ex-governantes” pelo crime de recebimento indevido de vantagem no âmbito do caso que ficou conhecido como “caso Euro 2016”, lê-se na referida notícia, no qual estão ainda envolvidos “Carlos Costa Pina (administrador da Galp Energia e ex-secretário de Estado de José Sócrates), seis responsáveis da energética e dois autarcas [Álvaro Beijinha (Santiago do Cacém) e Nuno Mascarenhas (Sines)].

O caso remonta ao Euro 2016, que se disputou em França, e para o qual a Galp ofereceu convites a personalidades políticas para assistirem aos jogos da Seleção Nacional. No total, a Galp investiu acima de 150 mil euros nos convites, que foram aprovados pela comissão executiva da elétrica . Os convites abrangiam as viagens de avião assim como os bilhetes para os jogos de futebol da Seleção Nacional. Para um jogo da fase de grupos, a Galp despendeu 1.040 euros por pessoa e por convite; o valor subiu para 1.710 euros para a final, que se disputou em Paris e que Portugal ganhou.

Os responsáveis da Galp que efetuaram os convites foram Costa Pina, José Sequeira Nunes (chefe de gabinete da Presidência e Comunicação da Galp), Nuno Pinto, Eduardo Guedes Oliveira (responsável pela Área de Representação Institucional do Grupo Galp), Carlos Andrade (responsável pela Área de Investigação, Inovação e Tecnologia da Galp), Rui Neves (secretário do Grupo Galp) e José Martinho Correia (diretor-geral da Refinação).

Também Susana Escária, mulher de Vitor Escária e Adjunta de João Vasconcelos no Governo de António Costa, foi igualmente constituída arguida, por ter acompanhado o marido na viagem feita a convite de Costa Pina em nome da petrolífera portuguesa para assistir ao segundo jogo da equipa nacional de futebol, contra a Áustria, arriscando-se a ser acusada também. Existem ainda dois chefes de gabinete de Rocha Andrade e de João Vasconcelos que também foram constituídos arguidos.

Relacionadas

Governo toma cautelas com viagens ao Mundial: Centeno e Leitão Marques não vão aos jogos

O Estado português far-se-á representar por Marcelo Rebelo de Sousa, António Costa e Eduardo Ferro Rodrigues.

Viagens Galp: Ministério Público propõe suspensão provisória do processo a arguidos

A Procuradoria-geral da República adianta que “aguarda-se a concordância do juiz de instrução criminal relativamente à decisão do Ministério Público (MP) de suspender provisoriamente o processo em relação a alguns arguidos”, sem precisar nomes.

Os piores momentos do Governo de António Costa

Das viagens pagas pela Galp e da polémica de António Domingues na CGD, até às tragédias dos incêndios florestais de 2017 e culminando no misterioso caso do furto de armas na base militar de Tancos. Os acontecimentos mais negativos nos três anos do Governo de Costa, em contraste com os resultados económicos positivos.
Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta segunda-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta segunda-feira.

Sindicato: CGD recusa negociação salarial que produza efeitos em 2022

“Perante esta situação lamentável e infelizmente recorrente, o STEC vai, obviamente, solicitar o início de negociações a partir de 13 de outubro, procurando, como sempre, pela via do diálogo, encontrar respostas para a situação aflitiva que muitos trabalhadores e reformados da CGD já estão a viver”, indica o sindicato. 

Bankinter alia-se à gestora Edmond de Rothschild para lançar um fundo que investe no metaverso

O Bankinter torna-se o primeiro banco em Portugal a lançar um fundo de investimento centrado na indústria que desenvolverá o metaverso.
Comentários