Ganhos da bolsa nacional destacam-se entre as congéneres europeias

“O PSI20 acompanha a evolução positiva dos restantes índices europeus com ganhos ligeiros em praticamente todas as cotadas”, explica João Tenente, gestor da corretora XTB.

A bolsa portuguesa segue a negociar em alta em meio de sessão esta segunda-feira, num altura em que as praças europeias transacionam mistas. O principal índice português, PSI 20, soma 0,23% para os 5.372,83 pontos, impulsionado pelos ganhos no setor da energia e CTT.

Em terreno positivo destacam-se os títulos da EDP, que avançam 0,45% para os 2,922 euros e os da REN, que valorizam 1,68% para os 2,484 euros. A contribuir para os ganhos da REN está uma entrevista dada pelo CEO da empresa, Rodrigo Costa, ao jornal ‘Expresso’, onde afirma que “não se perdeu nada” com a privatização da empresa do ramo das energéticas.

No setor da energia, a Galp soma 0,26% para os 15,600 euros. A contribuir para os ganhos, estão também a NOS (0,34%), a Jerónimo Martins (0,31%), a Pharol (0,99%) e os CTT (1,23%).

Em contraciclo, está o BCP que perde 0,15% para os 0,259 euros. A acompanhar esta tendência estão a Sonae (-0,55%), a Altri (-0,14%), a EDP Renováveis (-0,48%) e a Semapa (-0,23%).

“O PSI20 acompanha a evolução positiva dos restantes índices europeus com ganhos ligeiros em praticamente todas as cotadas”, explica João Tenente, gestor da corretora XTB. “As principais praças europeias despertaram neste início de semana com uma ligeira tendência altista”.

Nas praças europeias, o alemão DAX ganha 0,09%, o holandês AEX soma 0,08% e o britânico FTSE 100 segue a subir 0,57%. Em sentido contrário, o espanhol IBEX 35 perde 0,26%, o francês CAC 40 desce 0,11% e o italiano FTSE MIB desvaloriza 0,06%.

“As passadas semanas foram pouco abonatórias para o sentimento dos investidores com o adiamento da nova reforma fiscal e com os atrasos no Brexit, mas finalmente os dados do emprego dos EUA deram um novo alento ao mercado”, explica o gestor da corretora XTB. No entanto, a tensão que se vive entre a Palestina e Israel, com as declarações de Trump a incendiar mais o estado de guerra, provocam um maior receio aos investidores de entrar no mercado. Deste modo, vemos alguma dificuldade dos mercados reagirem em alta apresentando grandes divergências”.

A marcar o dia estão também os dados do Instituto Nacional de Estatísticas (INE), que apontam para que o défice comercial se tenha aumentado 613 milhões de euros durante o mês de outubro, em comparação com igual período do ano passado.

Recomendadas

Wall Street fecha instável em face da provável recessão

A indefinição está a marcar a economia interna dos Estados Unidos. sabe-se que haverá uma recessão, mas os seus contornos em termos de profundidade e duração não são claros. E o mercado mobiliário parece não gostar disso.

Há quem queira fugir à regulação do mercado criptoativo, alerta responsável europeia

A regulação deverá chegar no espaço de um ano, diz a comissária europeia para os serviços financeiros. Mas há ‘players’ do mercado que escolhem deliberadamente jogar contra as regras, avisa. A abordagem deve ser “global”.

Lagarde e o ‘whatever it takes’ para controlar a inflação. Ouça o podcast “Mercados em Ação”

No “Mercados em Ação”, podcast do JE, vai poder contar com a análise de especialistas em temas como ações e obrigações; investimento e poupança; BCE e FED; resultados e empresas; análises e gráficos.
Comentários