Gás natural. Governo pede a empresas para facilitar troca para mercado regulado (com áudio)

A transição para o mercado regulado tem de ser feita em lojas físicas, não sendo possível fazer de forma online.

Cristina Bernardo

O Governo pediu hoje às empresas para facilitarem a mudança dos consumidores para o mercado regulado.

Recorde-se que o executivo aprovou recentemente uma medida que permite às famílias mudarem do mercado liberalizado para o mercado regulado.

“Peço desculpa aos portugueses devido à transição para o mercado regulado: estamos dependentes das lojas físicas, não existem soluções online”, afirmou hoje o ministro do Ambiente.

“Apelamos aos comercializadores para reforçar os seus atendimentos. Ninguém ganha com isto. São muitas as famílias [a fazer a mudança]. Lamentamos este tipo de transtorno”, afirmou Duarte Cordeiro na conferência organizada pela “CNN Portugal” que teve hoje lugar em Lisboa.

Questionado sobre se as “empresas estão a portar-se bem” neste processo, o ministro destacou que existem “algumas filas de espera, algumas dificuldades”.

“Apelamos às empresas que acelerem a contratação online. Estamos a fazer um apelo”, afirmou.

Recorde-se que a Galp criticou hoje a decisão de o Governo de permitir o regresso dos consumidores ao mercado regulado, argumentando que vai aumentar as suas perdas.

“A Galp perdeu perdeu 135 milhões para importar gás para a Península Ibérica no primeiro semestre 2022, por causa de interrupções no fornecimento da Nigéria. Nunca procurámos compensações ou sair de contratos”, começou por dizer o presidente da Galp esta segunda-feira.

“A medida recente para obrigar a Galp a vender mais gás ao preço do mercado regulado expõe-nos a maiores perdas. Estamos em discussão com o Governo sobre esta medida. Vai contra o nosso direito como uma empresa livre privada e vai contra anos de progresso de liberalização dos mercados, conforme previsto na lei”, afirmou Andy Brown na mesma conferência onde esteve presente o ministro do Ambiente.

“Estamos preparados para trabalhar com o Governo para ajudar quem mais precisa, mas a aplicação desta medida visa pequenos negócios, empresas que não precisam de ajuda. Esta não é uma medida que ajuda quem mais precisa”, destacou no seu discurso.

Conforme sublinhou, os preços praticados no mercado regulado ficam a 10% a 20% dos preços no mercado ibérico.

“Sei que há frustração do público para tentar mudar para o mercado regulado com filas nas lojas. O mercado regulado caminha para a extinção em 2025.

A partir de 1 de outubro (mas os clientes podem pedir já a mudança), as famílias vão poder regressar ao mercado regulado de gás natural. Hoje em dia cerca de 200 mil clientes estão no mercado regulado dos 1,4 milhões no total.

A medida vai vigorar durante 12 meses. O Governo anunciou a medida depois de várias empresas anunciarem aumentos nos preços do mercado liberalizado que atingem os 150%.

Nas contas do executivo, as famílias podem obter poupanças de 677 euros por ano com a tarifa regulada (em alguns cenários, ver mais na peça infra).

Gás natural. Famílias com poupanças de 677 euros por ano com tarifa regulada (com áudio)

Relacionadas

Presidente da Galp defende que é preciso acelerar no lítio, renováveis e hidrogénio verde em Portugal

Andy Brown defende que as autoridades portuguesas precisam de fazer mais para acelerar o licenciamento dos projetos.
Recomendadas

Cinco milhões para ações de emergência na serra da Estrela até final do ano

O ministro do Ambiente e da Ação Climática, Duarte Cordeiro, disse que o Fundo Ambiental disponibiliza, até ao final do ano, cerca de cinco milhões de euros para ações de emergência.

Costa Silva: Próximos anos não vão ser “cor-de-rosa” para a economia portuguesa

António Costa Silva, ministro da Economia, afirma que “não é com receitas do passado que vamos resolver os problemas”, defendendo que “para resolver os problemas de curto prazo, precisamos de uma visão de longo prazo”.

PRR: Inspeção-Geral de Finanças já deu parecer positivo a pagamento da 2.ª tranche

A Inspeção-Geral das Finanças (IGF) deu parecer positivo ao pagamento da segunda tranche do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), no valor de cerca de dois mil milhões de euros, seguindo agora o pedido de Portugal para Bruxelas.
Comentários