Pode a gata de Karl Lagerfeld herdar a fortuna de 170 milhões do estilista?

O falecido designer da Chanel e da Fendi não teve filhos, mas tinha uma gata que dizia ser o ”centro do mundo”.

A gata de Karl Lagerfeld, Choupette poderá herdar 150 milhões de libras (171 milhões de euros) após a morte do estilista. A notícia está a ser avançada pelo jornal francês Le Figaro, que escreve que Choupette pode ter direito à fortuna do estilista, caso tenha sido nomeada como herdeira da fortuna, de acordo com a lei alemã.

Mas o estilista alemão residia em França, logo a lei a ser aplicada na leitura da herança é a lei francesa. Assim sendo, a gata Choupette não terá direito à fortuna. Apesar da gata ter um conta bancária em seu nome, em França não poderia tornar-se herdeira do estilista, por ser precisamente um animal.

No entanto, o Le Figaro avança com soluções alternativas sobre como poderia a gata herdar a fortuna indiretamente em França: caso Karl Lagerfeld designasse o próximo dono do animal. Assim, esta pessoa teria direito a uma parte da riqueza para assegurar o conforto de Choupette.

A situação seria diferente se Karl Lagerfeld vivesse nos Estados Unidos, onde a gata poderia herdar a fortuna do seu dono. Existem vários exemplos, como o do pastor alemão Gunther IV que herdou 328 milhões de euros em 1992 da condessa alemã Karlotta Liebenstein. Ou o caso da apresentadora Oprah Winfrey que pretende deixar 27 milhões de euros aos seus cinco cães, escreve o Le Figaro.

Ainda não está claro quem cuidará da gata Choupette agora, mas segundo o ”Independent” há rumores de que Brad Kroenig, a musa e modelo masculino do falecido designer, e o seu filho Hudson, de quem Lagerfeld é o padrinho, poderão ficar responsáveis pelo animal.

Ver esta publicação no Instagram

 

Happy #FathersDay Daddy @karllagerfeld. Thank you for bringing me into the (fashion) world. 😘

Uma publicação partilhada por Choupette Lagerfeld (@choupettesdiary) a

Choupette, de três anos e com uma conta de Instagram com mais de 189 mil seguidores, tornou-se num ícone na indústria da moda tendo participado em sessões fotográficas para grandes revistas.

Segundo o falecido designer, numa entrevista em 2015 ao ”The Cut”, Choupette era o gato “mais famoso” e “mais rico” do mundo depois de ganhar 3 milhões de dólares por ter participado num anuncio para uma construtora alemã e noutro para uma linha de coméstica japonesa. A revista ”InStyle” afirma que a gata tem um estilo de vida luxuoso, tendo duas empregadas domésticas, um iPad e direito a uma manicura semanal.

Tal era o amor de Lagerfeld pela gata que ele próprio disse à ”CNN”, em 2013, que se fosse legal, casaria com a felina de olhos azuis, ”ainda não há casamento entre seres humanos e animais”, lamentou. “Nunca pensei que me apaixonaria assim por um gato.”

Lagerfeld faleceu ontem, em Paris aos 85 anos e foi diretor criativo da Chanel por mais de três décadas. A causa da morte ainda não é conhecida, embora o jornal francês tenha informado que Lagerfeld tinha estado “fraco por muitas semanas”.

Relacionadas

Lagerfeld: o criador que dedicou toda a sua vida à moda

O designer alemão revolucionou o mundo da moda e ficará para sempre ligado à Chanel, onde começou a trabalhar desde os anos 80 até ao final da vida.

Quanto vale Karl Lagerfeld?

Lagerfeld deixa uma fortuna avaliada em 200 milhões de euros.

Morreu Karl Lagerfeld, a mente da Chanel há mais de 50 anos

Ainda não são conhecidas as causas de morte do diretor criativo da Chanel que morreu esta terça-feira aos 85 anos.
Recomendadas

Marques Mendes: “Costa Silva recupera autoridade ou sai. O país precisa de um ministro da Economia forte”

“De um Governo com maioria absoluta, à partida um Governo forte, esperava-se unidade, coesão, determinação, energia, mobilização, espírito reformista. O que encontrámos? Exatamente o contrário”, disse este domingo o comentador da SIC.

Moçambique baixa receitas fiscais do gás ao fundo soberano para 40%

Moçambique deverá ser um dos maiores exportadores mundiais de gás a partir de 2024, beneficiando não só do aumento dos preços, no seguimento da invasão da Ucrânia pela Rússia, mas também pela transição energética.

PCP defende aumento do salário mínimo nacional para 850 euros em janeiro

O secretário-geral do PCP acusou o Governo de querer “retomar todos os caminhos da política de direita, fazer comprimir ainda mais os salários, facilitar a exploração, abrir espaço para os negócios privados na saúde e na educação, condicionando ou justificando as suas opções com as orientações e imposições da União Europeia e do euro”.
Comentários