Gazprom não vai retomar os fluxos de gás para a Europa

Em causa está uma nova falha técnica que foi encontrada no Nord Stream 1. Depois de os fluxos de gás terem sido interrompidos com previsão de retomarem este sábado, estão agora suspensos por tempo indeterminado, fez saber a Gazprom.

Reuters

A Gazprom não vai retomar os fluxos de gás para a Alemanha, através do Nord Stream 1, ao contrário do que estava planeado. O gigante do gás russo suspendeu o gasoduto devido a uma fuga de óleo e tinha referido que o plano seria voltar a enviar o gás a partir de sábado, mas uma nova falha foi encontrada e vai impedir o retomar da normalidade, por tempo indeterminado.

A “Bloomberg” noticia que terá sido encontrada um fuga de combustível numa turbina de gás e que a Gazprom terá que resolver a situação para que os fluxos possam ser retomados, de acordo com um comunicado divulgado esta sexta-feira pela própria companhia.

Trata-se de um rude golpe nas intenções da Europa, que procurava preencher as reservas de gás natural, de forma a preparar o inverno. Como resposta da Rússia às sanções impostas pelo ocidente, os fluxos já tinham sido reduzidos a 20% da capacidade do Nord Stream 1. Desta vez, foram mesmo suspensos.

Hoje mesmo, a “Reuters” citava fontes próximas do planeamento da empresa, que relatavam que o plano da Gazprom continuava a ser retomar os fluxos às zero horas de sábado, tal como havia sido referido pela empresa.

Recomendadas

Lado turco de Chipre exige reconhecimento às forças de paz da ONU

A República Turca do Chipre do Norte, país que só a Turquia reconhece, quer que a força de paz da ONU, que está no terreno desde 1964, reconheça a existência do país. Ou então que se retire.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quinta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quinta-feira.

Reino Unido poderá enfrentar cortes de energia durante o inverno

A informação foi avançada esta quinta-feira pela National Grid, empresa britânica que trabalha no sector. Uma situação que vem no contexto da crise energética na Europa.
Comentários