Governo admite começar a pagar reposição salarial aos professores nesta legislatura

A revelação foi feita pelo secretário-geral da Federação Nacional dos Professores (Fenprof) à saída da reunião com o Governo no Ministério da Educação (ME) e contraria o que havia sido dito anteriormente às outras forças sindicais que se reuniram com o executivo antes desta federação.

O Governo admitiu esta quinta-feira à noite aos sindicatos da Fenprof começar a pagar a reposição salarial do tempo de serviço congelado ainda nesta legislatura, mas o processo negocial ainda está em aberto e os sindicatos voltam a reunir-se com o executivo hoje.

A revelação foi feita pelo secretário-geral da Federação Nacional dos Professores (Fenprof) à saída da reunião com o Governo no Ministério da Educação (ME) e contraria o que havia sido dito anteriormente às outras forças sindicais que se reuniram com o executivo antes desta federação.

Segundo Mário Nogueira, que falava aos jornalistas ao lado de representantes da Federação Nacional de Educação (FNE) e da Frente Sindical de Docentes, que na tarde de quinta-feira já tinham estado reunidos com a tutela, o Governo admite também contar na íntegra todo o tempo de serviço congelado e garantiu não mexer no Estatuto da Carreira Docente, que regula a profissão dos professores, nesta legislatura.

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quarta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quarta-feira.

“Ainda este ano haverá navios elétricos a navegar no Tejo”, diz ministro do Ambiente

O primeiro navio elétrico tem chegada marcada para o primeiro trimestre de 2023, sendo que três outros barcos devem chegar até ao fim do ano. O primeiro carregador chega entre junho e julho.

Ucrânia: Portugal abriu 103 processos envolvendo crianças e três estão em famílias de acolhimento

Desde que começou a guerra na Ucrânia, a 24 de fevereiro do ano passado, Portugal atribuiu 14.082 proteções temporárias a menores ucranianos, representando cerca de 25% do total dos refugiados que fugiram do conflito.
Comentários