Governo aprova novo regime para concessão de linhas de crédito para sector agrícola

Numa altura em que os custos de produção continuam a pesar no sector, o Governo aprovou um novo regime de concessão de linhas de crédito que passa por disponibilizar meios financeiros que permitam fazer face a situações de crise, como aumento dos custos de produção.

Mário Luz/Lusa

O Governo aprovou esta quinta-feira um novo quadro regulatório destinado ao setor agrícola no sentido de facilitar o acesso a crédito em cenários como aumento de custos de produção ou fenómenos climatéricos adversos, isto numa altura em que os custos de produção continuam a aumentar.

De acordo com o comunicado divulgado esta tarde, na sequência da reunião do Conselho de Ministros, este novo regime de concessão de linhas de crédito tem como objetivo “disponibilizar meios financeiros que permitam fazer face a situações de crise — quer estas resultem de prejuízos pela ocorrência de fenómenos climatéricos adversos, quer resultem de perturbações nos mercados ou de aumento dos custos de produção”.

Assim, “pretende-se assegurar aos produtores do sector agrícola o acesso a crédito, mediante a concessão de apoio público aos encargos a suportar”, explica o Governo, em comunicado.

 

Recomendadas

Ministra da Agricultura: direções regionais não vão ser extintas

Maria do Céu Antunes esclareceu que as direções regionais de agricultura não vão ser extintas no âmbito da transferência de competências para as comissões de coordenação e desenvolvimento regional.

Seca: Barragem de Mirandela está a perder a pouca água que tem para regadio

O presidente da Associação de Beneficiários do Perímetro de Rega de Vale Madeiro, Emanuel Batista, disse hoje que a barragem de regadio do distrito de Bragança em situação mais crítica está a perder a pouca água que tem.

Agricultores acusam governo de matar as Direções Regionais de Agricultura e desmantelar o sector

CAP e CONFAGRI estão incrédulas com a decisão do Governo de extinguir as Direções Regionais de Agricultura e transferir as suas competências para as Comissões de Coordenação e Desenvolvimento Regional. “É uma medida abusiva, absurda, antidemocrática e inaceitável”, afirma a histórica estrutura liderada por Eduardo Oliveira e Sousa.
Comentários