Governo da Hungria diz que estão “no bom caminho” negociações para evitar corte nos fundos

A Comissão Europeia propôs este domingo uma suspensão de 65%, no valor de 7,5 mil milhões de euros, dos fundos comunitários à Hungria pelas violações do Estado de direito.

O governo da Hungria considera que as negociações com a Comissão Europeia para evitar que a proposta do corte de 65% nos fundos de coesão por problemas de corrupção estão “no bom caminho”, indicou este domingo um elemento do Governo húngaro.

“Avançamos no bom caminho, continuamos o trabalho”, escreveu na sua conta na rede social Facebook a ministra da Justiça húngara, Judit Varga, salientando que “em muitos aspetos têm sido alcançados resultados positivos”.

A Comissão Europeia propôs este domingo uma suspensão de 65%, no valor de 7,5 mil milhões de euros, dos fundos comunitários à Hungria pelas violações do Estado de direito.

“A Comissão propôs ao Conselho [da UE] a suspensão de 65% dos compromissos para três programas operacionais no âmbito da política de coesão, num valor estimado em 7,5 mil milhões de euros, o que é cerca de um terço do envelope da política de coesão para a Hungria”, anunciou o comissário para o Orçamento e Administração, Johannes Hahn, em conferência de imprensa, em Bruxelas.

Hahn elencou irregularidades na contratação pública, falhas no prosseguimento das investigações e ações judiciais em casos relacionados com fundos europeus e ainda deficiência na luta contra a corrupção como estando na origem da decisão unânime do Colégio de Comissários.

Esta é a primeira vez que o regulamento relativo à condicionalidade é aplicado.

Dada a complexidade das medidas que Budapeste tem de pôr em prática, com o prazo de 19 de novembro estabelecido para dar conta do trabalho feito, o Conselho da União Europeia (UE) só deverá decidir sobre a aplicação do mecanismo de condicionalidade dentro de três meses.

A Hungria é um dos maiores beneficiários dos fundos de coesão da UE, com mais de 22.500 milhões de euros atribuídos até 2027.

Adotado em 2021, o regulamento relativo à condicionalidade prevê que, no caso de as violações do Estado de direito num determinado Estado-membro e em situações que afetam os interesses financeiros da UE, a Comissão possa propor ao Conselho da UE a adoção de medidas “adequadas e proporcionadas”, como a suspensão de verbas, cabendo aos Estados-membros tomar uma decisão final, por uma maioria qualificada de 55% por cento dos Estados-membros que representem pelo menos 65% da população da UE.

Recomendadas

PremiumPutin une extremos na oposição ao Ocidente

As franjas mais extremas europeias convergem no apoio a Putin, unidas por um antiamericanismo reforçado, à esquerda, por uma orfandade do comunismo soviético e, à direita, pela admiração por um regime iliberal e autocrático.

Moçambique baixa receitas fiscais do gás ao fundo soberano para 40%

Moçambique deverá ser um dos maiores exportadores mundiais de gás a partir de 2024, beneficiando não só do aumento dos preços, no seguimento da invasão da Ucrânia pela Rússia, mas também pela transição energética.

Eleições do Brasil: Lula da Silva vota em eleição que pode definir o seu regresso ao Governo

Além de Lula da Silva e Bolsonaro, disputam as presidenciais brasileiras os candidatos Ciro Gomes, Simone Tebet, Luís Felipe D’Ávila, Soraya Tronicke, Eymael, Padre Kelmon, Leonardo Pericles, Sofia Manzano e Vera Lúcia.
Comentários