Governo diz que taxa de IRS no segundo escalão é “muito pesada” e quer cortar

Secretário de Estado dos Assuntos Fiscais diz que cortar taxa de IRS nesse escalão é urgente, e deverá ser possível com a redução do défice público.

Baixar o IRS dos contribuintes do segundo escalão de rendimentos é uma prioridade do Governo, segundo o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Fernando Rocha Andrade. Em entrevista à Antena 1, o governante disse que alívio será possível com o cumprimento da meta do défice.

“[Uma taxa de] 28,5%, logo a partir dos sete mil euros de rendimento tributável é uma taxa muito pesada em termos comparativos e cremos que essa é uma das principais urgências”, afirmou o secretário de Estado na entrevista à rádio pública.

Em relação à questão da dívida pública, Rocha Andrade acredita que ao cumprir a meta do défice pela primeira vez, haverá um alívio dos juros da dívida. Portugal vai cortar o défice público para menos de 2,5% do Produto Interno Bruto este ano, afirmou o primeiro-ministro António Costa na quarta-feira, face aos 4,4% de 2015, valor que incluiu a injeção de capital no Banif.

Sobre a proposta do social-democrata Rui Rio para a criação de um imposto para pagar a dívida, Rocha Andrade considera a ideia “sem pés nem cabeça”.

Relacionadas

Aprovada alteração que extingue sobretaxa de IRS do 2.º escalão em janeiro

Os deputados do PS, do BE e do PCP aprovaram na especialidade a alteração à sobretaxa de IRS, que fará com que os contribuintes do segundo escalão não a paguem a partir de janeiro de 2017.

Défice de 2016 ficará abaixo dos 2,5%, garante António Costa

Primeiro-ministro deu garantia relativa ao valor do défice para este ano no dia em que Marcelo Rebelo de Sousa promulgou OE2017.

Refeições nas escolas regressam ao IRS

Contribuintes com dependentes em escolas públicas voltam a incluir refeições em despesas com educação.

Punir erros de IRS só com multa “é um prémio à evasão fiscal”

Fórum para Competitividade alerta que a nova regra introduzida no Orçamento do Estado “irá operar uma verdadeira descriminalização da fraude fiscal. E pode ter consequências legais gravíssimas”.
Recomendadas

Marques Mendes: “Costa Silva recupera autoridade ou sai. O país precisa de um ministro da Economia forte”

“De um Governo com maioria absoluta, à partida um Governo forte, esperava-se unidade, coesão, determinação, energia, mobilização, espírito reformista. O que encontrámos? Exatamente o contrário”, disse este domingo o comentador da SIC.

Moçambique baixa receitas fiscais do gás ao fundo soberano para 40%

Moçambique deverá ser um dos maiores exportadores mundiais de gás a partir de 2024, beneficiando não só do aumento dos preços, no seguimento da invasão da Ucrânia pela Rússia, mas também pela transição energética.

PCP defende aumento do salário mínimo nacional para 850 euros em janeiro

O secretário-geral do PCP acusou o Governo de querer “retomar todos os caminhos da política de direita, fazer comprimir ainda mais os salários, facilitar a exploração, abrir espaço para os negócios privados na saúde e na educação, condicionando ou justificando as suas opções com as orientações e imposições da União Europeia e do euro”.
Comentários