Governo do Chile inicia procura de 1.162 desaparecidos durante a ditadura de Pinochet

Quase 50 anos após o golpe contra Salvador Allende, em 11 de setembro de 1973, o presidente Gabriel Boric anuncia um plano para acabar com o que uma parte do país afirma ser a maior dívida da democracia chilena.

Em 11 de setembro de 2023, completam-se 50 anos desde o golpe militar no Chile, que derrubou o presidente Salvador Allende, eleito democraticamente, e iniciou 17 anos de ditadura sangrenta de Augusto Pinochet. O atual presidente chileno, Gabriel Boric, eleito por uma coligação de esquerda, teve sempre em mento, como o disse publicamente, que “ainda carregamos muitas dívidas”, sobre esses anos.

Muito entretanto foi feito – como é o caso da Comissão Valech, que investigou sobre as prisões políticas e tortura, mas Boric quer ir mais longe e anunciou que o seu governo “continuará a procurar incansavelmente os desaparecidos com um plano nacional”.

O plano será executado pelo Ministério da Justiça, liderado pela ministra Marcela Ríos e terá em perspetiva que há 1.469 vítimas de desaparecimento – das quais 307 corpos ou restos de esqueletos foram identificados e 1.162 pessoas ainda estão desaparecidas.

A convicção instaladas é que as forças militares e o exército têm informações nunca reveladas sobre o destino destes desaparecidos, ou de parte deles. Os militares negam e em 2001 asseguraram que muitos dos desaparecidos terão sido lançados ao mar.

A proposta do Ministério da Justiça inclui a ampliação da campanha ‘Uma gota de sangue pela verdade e pela justiça’, que se refere, segundo relata o jornal “El Pais”, à coleta de amostras de sangue em todo o território para completar o banco de dados de registos genéticos que pretende elaborar um diagnóstico sistematizado de toda a informação já compilada que permita identificar as principais linhas de trabalho a desenvolver.

O governo quer também recorrer a novas tecnologias que podem ser usadas para avançar nas investigações. A ideia, explica um comunicado do Ministério da Justiça, é engendrar uma proposta metodológica e processual para o desenvolvimento do plano.

Os vários governos democráticos desde 1990, recorda o jornal espanhol, têm realizado importantes políticas em relação às vítimas da ditadura de Pinochet. O governo de Patricio Aylwin criou a Comissão Rettig, sobre mortos e desaparecidos; no mandato de Frei Ruiz Tagle, foi instituída a Mesa de Diálogo, que representou o reconhecimento dos crimes pelas forças armadas e militarizadase; o governo de Ricardo Lagos constituiu uma comissão chefiada por Monsenhor Sergio Valecha comissão com o seu nome) sobre a prisão política e tortura, iniciativa inédita no mundo, que foi seguida de medidas de reparação vigentes até hoje.

Recomendadas

Conselho da UE anuncia apoio de 40 milhões de euros para o exército da Moldávia

Este apoio complementa a contribuição europeia de sete milhões de euros, feita em dezembro de 2021, destinada na altura a capacitar o Serviço Médico Militar do Batalhão de Engenharia das Forças Armadas moldavas. 

Ucrânia: Diplomacia russa protesta contra afirmações ‘grosseiras’ de Johnson

Em comunicado, o Ministério adiantou que Deborah Bronnert recebeu um protesto “firme” contra “as afirmações abertamente grosseiras a respeito da Federação Russa, do seu dirigente, dos seus responsáveis, bem como do povo russo”.

ONU classifica de “revés” decisão judicial que limita regulação ambiental nos EUA

A ONU considerou que retrocessos em países que produzem grandes quantidades de emissões prejudiciais ao ambiente, como os Estados Unidos, tornam “mais difícil alcançar os objetivos estabelecidos no Acordo de Paris para um planeta mais saudável e em que se possa viver”.
Comentários