Governo propõe atualização regular de escalões do IRS no âmbito do acordo de rendimentos

A proposta sobre o acordo de rendimentos, salários e competitividade que o Governo leva hoje para a Concertação Social prevê a atualização regular dos escalões de rendimento do IRS visando a neutralidade fiscal das atualizações salariais.

A vertente fiscal, associada à estratégia da valorização salarial contemplada nesta proposta de acordo de médio prazo, visa garantir que os aumentos salariais “não se diluem através da carga fiscal, nem se traduzem em perdas efetivas no rendimento disponível”.

Entre as medidas que o Governo propõe no documento a que a Lusa teve hoje acesso está a “atualização regular dos escalões” de rendimento do IRS (que atualmente são nove) “de forma a assegurar a neutralidade fiscal das atualizações salariais”.

Na proposta que hoje vai discutir com o parceiros sociais, o Governo aponta ainda para a “aproximação e, sempre que possível, eliminação da diferença” entre a retenção na fonte (efetuada mensalmente) e o imposto devido (apurado anualmente coma entrega da declaração do IRS).

Entre as medidas que visam assegurar a neutralidade fiscal dos acréscimos de rendimento, ou seja, que visam evitar que aumentos salariais sejam absorvidos pelo IRS, inclui-se ainda a reformulação das regras de funcionamento do mínimo de existência e a criação de um Incentivo de Regresso ao Mercado de Trabalho, direcionado a desempregados de longa duração.

Recomendadas

PremiumEmpresários pedem “velocidade” nos dossiers da economia e turismo

Confederações de empresários da indústria e de turismo agradecem aos secretários de Estado demissionários e esperam que os novos continuem o trabalho já realizado, concretizando planos anunciados.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta sexta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta sexta-feira.

PremiumNómadas digitais “contribuem para a descentralização”

Não têm uma casa permanente, mas comunidades nas quais passam temporadas a trabalhar remotamente: os nómadas digitais têm Portugal na mira, e prometem dinamizar a economia.
Comentários