Grávidas a percorrerem 140 quilómetros de ambulância, morte de bebé e de mãe. Os três casos trágicos do verão quente do SNS e que contribuíram para a saída de Temido

Verão quente nas urgências obstétricas culminou em dois casos trágicos e numa grávida que não foi aceite em nenhum hospital dos distritos de Lisboa e de Setúbal.

Foi o verão quente nas urgências obstétricas do Serviço Nacional de Saúde (SNS). Falta de médicos, fecho de urgências e, tragicamente, vários casos que afetaram vidas humanas.

A ministra da Saúde demitiu-se do cargo invocando que “deixou de ter condições para se manter no cargo”. A saída já foi aceite pelo primeiro-ministro que disse que o Governo vai prosseguir as “reformas em curso tendo em vista fortalecer o SNS e a melhoria dos cuidados de saúde prestados aos portugueses”.

O caso mais recente foi o da grávida que morreu durante uma transferência entre os hospitais Santa Maria e São Francisco Xavier, por o primeiro não ter vagas no serviço de Neonatologia (ver infra).

9 de junho – Caldas da Rainha

Uma grávida deslocou-se já perto de gravidez ao hospital das Caldas da Rainha pelos próprios meios, mas as urgências de ginecologia/obstetrícia estavam fechadas. Feita uma cesariana de emergência, o bebé acabou por morrer.

A Inspeção-Geral das Atividades em Saúde (IGAS) concluiu a sua investigação dois meses depois e instaurou um processo disciplinar a uma funcionária do hospital, por ter recusado atender a grávida num primeiro momento. A IGAS também recomendou a abertura de outro processo disciplinar à médica obstetra que atendeu a grávida por considerarem que a sua atuação é “suscetível de ter violado os seus deveres funcionais”.

No inquérito, o IGAS concluiu que há “insuficiência de médicos para completar a escala” e destacou que houve falhas de comunicação.

22 de agosto – Seixal – Santarém – Caldas da Rainha (140 quilómetros)

Uma grávida, 26 anos, residente na Amora (concelho do Seixal, distrito de Setúbal) chama o INEM por estar com fortes dores abdominais durante a madrugada.

O socorro foi rápido, mas todos os hospitais dos distritos de Setúbal e Lisboa rejeitaram receber a mulher devido à falta de médicos.

Primeiro, foi enviada para o hospital de Santarém, mas como a unidade iria deixar de ter anestesista a partir das 08h00, a mulher foi transferida para o hospital das Caldas da Rainha (Leiria). A criança acabou por nascer e está bem de saúde.

A Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT) abriu um processo de inquérito para apurar as circunstâncias que obrigaram a grávida a andar mais de 140 quilómetros para conseguir ter o seu filho.

27 de agosto – Hospital de Santa Maria, Lisboa

Uma mulher, 34 anos e grávida de 31 semanas, dá entrada no hospital Santa Maria com pré-eclampsia grave e restrições do crescimento uterino no dia 22 de agosto, revelou a “CNN Portugal” na segunda-feira que teve acesso ao relatório clínico.

Apesar de ser urgente provocar o parto, não havia vaga no serviço de Neonatologia do hospital e foi decidido transferir a grávida para o São Francisco Xavier, também em Lisboa.

A caminho do outro hospital, a grávida sofrena ambulância uma paragem cardiorrespiratória em ritmo de assistolia que durou 17 minutos.

À chegada ao São Francisco Xavier a vítima entrou em coma profundo e permaneceu assim até dia 27 de agosto, dia em que foi detetada a morte cerebral. A grávida tinha nacionalidade indiana, residia na Índia e tinha chegado recentemente a Portugal.

O bebé nasceu com 772 gramas e foi encaminhado para a “unidade de cuidados intensivos neonatais por prematuridade”, segundo o Centro Hospitalar Universitário Lisboa Norte (CHULN).

“Após normalização das tensões arteriais e franca melhoria respiratória, foi transferida cerca das 13h00 do mesmo dia para o Hospital São Francisco Xavier, por ausência circunstancial de vagas de Neonatologia no CHULN, acompanhada por um médico e enfermeiros”, segundo o CHULN.

O Centro Hospitalar Universitário Lisboa Norte (CHULN) convocou uma conferência de imprensa que se realiza esta terça-feira, pelas 09h30, e que contará com a presença dos diretores dos serviços de Obstetrícia e de Neonatologia.

Relacionadas

Marta Temido demite-se “por não ter condições para se manter no cargo” (com áudio)

O primeiro-ministro, António Costa, aceitou o pedido de demissão da ministra da Saúde e já o comunicou a Marcelo Rebelo de Sousa. Marta Temido ocupava funções desde 2018 e liderou a pasta da Saúde durante a crise pandémica, num percurso marcado por tensões com a classe médica.

Saída de Marta Temido era “expectável”, diz presidente da Associação Portuguesa de Administradores Hospitalares (com áudio)

Na opinião do presidente da APAH, Marta Temido não conseguiu mobilizar o sector e não teve a força política para convencer o Conselho de Ministros a tomar decisões importantes sobre o Serviço Nacional de Saúde (SNS).

Substituição de Marta Temido na Saúde “não será rápida” (com áudio)

“O primeiro-ministro gostaria que ainda fosse Marta Temido a levar ao Conselho de Ministros o diploma que regula a nova direção executiva do SNS” e que considera uma “peça central da reforma iniciada com a aprovação do Estatuto em julho passado”, disse à agência Lusa fonte próxima de António Costa.
Recomendadas

“Jogo Económico”. “Não acredito que vamos banir a violência no futebol”, defende especialista

Vêm aí novas leis destinadas ao combate da violência no desporto e nesta edição, vamos conhecer ao detalhe as medidas que estão a ser preparadas para o Governo e perceber se se adequam à realidade do fenómeno em Portugal. Daniel Seabra, antropólogo e professor universitário com obra publicada sobre o fenómeno das claques em Portugal, foi o convidado da última edição do “Jogo Económico”.

Duzentos trabalhadores dos Transportes de Coimbra manifestam-se contra eventual internalização

Cerca de 200 trabalhadores dos Serviços Municipalizados dos Transportes Urbanos de Coimbra (SMTUC) concentraram-se hoje na antiga Igreja do Convento São Francisco, naquela cidade, onde vai decorrer uma sessão da Assembleia Municipal, na qual será votada a internalização daquele serviço.

Presidência da República enviou há um mês denúncia à PGR envolvendo José Ornelas

A Presidência da República informou hoje que “enviou à Procuradoria-Geral da República (PGR), no dia 06 de setembro, uma denúncia envolvendo, nomeadamente, D. José Ornelas”, sem especificar em que consiste essa denúncia.
Comentários