Grupo Sousa investe 28 milhões de euros para adquirir navio porta-contentores

O navio tem capacidade para 1.577 contentores, Tonelagem de Arqueação Bruta de 17.294 toneladas e um comprimento de 172 metros.

O Grupo Sousa, através do armador GS Lines, investiu 28 milhões de euros para a aquisição do navio porta-contentores Marine Taraba. A embarcação tem capacidade para 1.577 contentores, Tonelagem de Arqueação Bruta de 17.294 toneladas e um comprimento de 172 metros, e foi registada no Registo Internacional de Navios da Madeira.

“O navio será colocado nas linhas internacionais que o Grupo serve, nomeadamente as que ligam Portugal, Espanha, Canárias, Cabo Verde e Guiné Bissau”, refere o Grupo Navio.

O grupo empresarial salienta que este navio será o maior navio porta-contentores alguma vez detido por armadores portugueses.

Este navio adquirido pelo Grupo Sousa junta-se assim ao RAQUEL S, REBECCA S, LAURA S, FUNCHALENSE 5 (todos eles navios porta-contentores), e ao ferry Lobo Marinho.

“O Grupo Sousa sempre privilegiou a utilização de meios e navios próprios nas suas operações e, com esta aquisição, reforça a utilização de frota própria em detrimento de navios afretados, passando agora a ter seis navios próprios, o que representa 92% do total de 96.259 Tonelagem de Arqueação Bruta que opera”, refere o Grupo Sousa.

O navio será renomeado para Ferdinanda S, em homenagem à mãe do fundador e detentor de 80% do capital, Chairman e CEO do grupo, Luís Miguel Sousa.

Recomendadas

Madeira: Sociedade Metropolitana de Desenvolvimento disponibiliza máquina ATM Express na Praça CR7

As caixas ATM são especialmente direcionadas para os turistas, sector que têm vindo a atingir valores históricos na Região.

Madeira supera 1,1 milhões de dormidas no alojamento turístico em agosto

As estimativas para as dormidas de agosto de 2022 superam em 67 mil o valor do mês anterior, passando assim a constituir o registo mensal mais alto de sempre observado no alojamento turístico da Região.

Madeira investe 923 mil euros na reabilitação da ER 103 entre o Terreiro da Luta e o Poiso

Pedro Fino explicou que esta obra não foi financiada com fundos europeus, mas que a Região aguarda a abertura do novo quadro comunitário, contando que deverá haver enquadramento para o financiamento da reabilitação desta estrada.
Comentários