Guterres empossado secretário-geral da ONU: Nono presidente é o primeiro português

O antigo primeiro-ministro português António Guterres tornou-se oficialmente o 9.º secretário-geral da ONU com um juramento sobre a Carta das Nações Unidas

“A globalização fez aumentar as desigualdades. Muita gente ficou para trás, incluindo nos países desenvolvidos”, referiu Guterres nas primeiras palavras proferidas enquanto novo secretário-geral das Nações Unidas.

O novo secretário-geral da organização lançou o repto de que “a ONU deve estar preparada para mudar” tendo em conta que, no entender de Guterres, existe “incapacidade” para a prevenção de crises: “devemos duplicar os esforços para resolver as crises”, realça o português.

Paz, desenvolvimento e organização interna foram definidas como as três áreas prioritárias: “Não basta fazer melhor, temos que comunicar melhor o que fazemos, de forma que todos compreendam”, destacou Guterres.

“Estou preparado para me envolver pessoalmente na resolução de conflitos onde isso trouxer um valor acrescentado, reconhecendo o papel de liderança dos Estados-membros”, declarou António Guterres, num discurso após ter prestado juramento sobre a Carta das Nações Unidas, perante a assembleia-geral da ONU.

“A prevenção é o que os fundadores das Nações Unidas nos pediram para fazer. É a melhor forma de salvar vidas e de reduzir o sofrimento humano. Onde a prevenção falha, devemos fazer mais para resolver conflitos”, considerou.

Na resposta a “crises graves” como as da Síria, Iémen e Sudão do Sul ou a “disputas longas” como o conflito israelo-palestiniano, são necessárias “mediação, arbitragem e diplomacia criativa”.

Na sua intervenção, Guterres falou em inglês, francês e espanhol.

Ban Ki-moon enaltece Guterres

“Estamos a fazer tudo o que podemos para que as futuras gerações vivam em paz”, afirmou Ban Ki-moon, perante a assembleia-geral da ONU, culminando dez anos como responsável máximo da organização.

No final da sua intervenção, Ban desejou ao seu sucessor, António Guterres, e a todos os membros da ONU “paz, prosperidade e sucesso”.

O discurso de Ban Ki-moon antecedeu o juramento do antigo primeiro-ministro António Guterres, que se tornará o nono secretário-geral das Nações Unidas, cargo que desempenhará a partir de 01 de janeiro de 2017.

Antes, o plenário aprovou, por aclamação, uma resolução de tributo a Ban Kim-moon, que cumpriu dois mandatos como secretário-geral da ONU, num total de dez anos.

O presidente da assembleia-geral, Peter Thomson, transmitiu um “profundo agradecimento” a Ban Ki-moon, destacando o seu legado duradouro e “compromisso com a paz, direitos humanos, justiça e igualdade”.

 

Recomendadas

Fitch revê em alta crescimento da zona euro para 0,2% em 2023, piora PIB mundial

A Fitch reviu “ligeiramente o crescimento da zona euro para 0,2%” em 2023, face a uma contração de 0,1% anteriormente, mas alterou para pior as estimativas a nível mundial, com o PIB a crescer 1,4%.

TAP: Serviços mínimos para greve abrangem países lusófonos e comunidades portuguesas

Os serviços mínimos para a greve dos tripulantes de cabine da TAP, marcada para quinta e sexta-feira, abrangem as regiões autónomas, os países lusófonos e zonas com emigrantes portugueses, segundo um acórdão hoje publicado.

Crise/Energia: Preço médio semanal da ERSE sobe 0,9% para gasóleo e 1,0% para gasolina

O preço médio semanal dos combustíveis, calculado pela Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE), aumenta, esta semana, 0,9% para o gasóleo e 1,0% para a gasolina, segundo um relatório hoje divulgado pela entidade.
Comentários