Há cada vez mais imigrantes a passarem ilegalmente o Canal da Mancha

Mais de 20 mil imigrantes já cruzaram ilegalmente o Canal da Mancha para a Inglaterra desde o início do ano, apesar dos sucessivos planos do governo para contrariar essas rotas.

A.Carrasco Ragel/EPA via Lusa

Mais de 20 mil imigrantes já cruzaram ilegalmente o Canal da Mancha para a Inglaterra desde o início do ano, apesar dos sucessivos planos do governo do Reino Unido para tentar acabar com o fenómeno.

Segundo o Ministério da Defesa britânico, só neste sábado pelo menos 607 pessoas fizeram a perigosa travessia em pequenas embarcações desta passagem com tráfego marítimo muito intenso, um dos valores mais elevados deste ano.

Segundo uma contagem da agência britânica Press Association (PA), o total desde o início do ano é já de 20.017 pessoas contra apenas 11.300 no mesmo período do ano passado

Em 2021, 28.500 pessoas chegaram desta forma ao Reino Unido, marcando um novo recorde desde o aumento dessas travessias em 2018 face ao crescente bloqueio do porto francês de Calais e do Túnel da Mancha.

Um recente relatório parlamentar britânico estimou que o total pode chegar a 60.000 este ano, apesar das repetidas promessas do governo conservador britânico, que tornou o assunto uma prioridade desde o Brexit, pagar milhões à França e depois ajudá-la a fortalecer a vigilância das costas e multiplicar as medidas para endurecer o acolhimento de migrantes.

Londres concluiu um acordo muito controverso com o Ruanda para enviar para o país da África Oriental requerentes de asilo que chegaram ilegalmente a solo britânico.

Embora nenhuma dessas expulsões tenha ainda ocorrido – um primeiro voo programado para junho foi cancelado após uma decisão do Tribunal Europeu de Direitos Humanos (CEDH) – os candidatos à sucessão de Boris Johnson, Rishi Sunak e Liz Truss prometeram continuar esta política.

Outro revés na política de migração britânica tem a ver com o facto de o governo acabar de abandonar o seu plano de converter uma antiga base da força aérea no norte da Inglaterra num centro para requerentes de asilo, como é feito na Grécia.

Recomendadas

Josep Borrell pressiona Israel sobre os palestinianos

O primeiro-ministro israelita Yair Lapid e o chefe de política externa da União desentenderam da reunião do Conselho da União Europeia-Israel, em Bruxelas. Pontos de vista diferentes sobre a Palestina e sobre o Irão ficaram bem evidentes.

Bulgária: eleições longe de resolverem crise política

Acusado de corrupção, o GERB voltou a ganhar as eleições e arrisca manter o país ingovernável. A única forma de ultrapassar o impasse seria um governo de coligação entre os dois maiores partidos, mas isso não parece estar no horizonte.

Indonésia. Polícia sob pressão pelo uso indiscriminado de gás lacrimogéneo

Os desacatos num estádio de futebol resultaram em 125 mortos, 17 dos quais crianças, de acordo com as autoridades. A atuação da polícia gerou o caos e vai contra as indicações da FIFA.
Comentários