Há mais de 70 anos que Portugal não tinha tantos mortos como em 2020

De 1 de janeiro a 10 de dezembro o Sistema de Informação dos Certificados de Óbito contou 115 mil mortes em Portugal, o número mais elevado desde 1949.

O ano está a acabar, mas já foi possível concluir que 2020 é o ano com maior número de óbitos desde 1949, um fenómeno que está associado à Covid-19, mas também ao envelhecimento da população.

Segundo a contagem da rádio “TSF”, de 1 de janeiro a 10 de dezembro o Sistema de Informação dos Certificados de Óbito registou cerca de 115 mil mortes em Portugal, o número mais elevado em mais de 70 anos. Os dados demonstram que existiram três picos de mortalidade este ano: no início de abril, depois em julho e agora um terceiro desde o final de outubro até ao momento.

Por sua vez, a informação do sistema de informação da mortalidade da DGS aponta para os 115 mil óbitos até 10 de dezembro, em comparação com 2019. Dados que representam uma subida que ronda os 9%. O ano de 2020 teve mais de nove mil mortos do que o período homologo de 2019 e 5 mil óbitos foram provocados pela Covid-19.

Relacionadas

Covid-19: “Apenas 6% a 8% dos portugueses não quer vacinar-se”, afirma Francisco Ramos

O coordenador do Plano Nacional de Vacinação aponta estes números face a estudos realizados pelo Governo e assume que um dos objetivos é transmitir aos portugueses que o processo de vacinação é seguro.
Recomendadas

Segundo dia de greve dos pilotos de barra e portos mantém forte adesão em todo o país

De acordo com um responsável do sindicato, “só no porto de Lisboa há uma lista de 25 navios em espera [para entrar ou sair] em resultado do serviço não feito desde ontem [terça-feira, primeiro dia de greve]”.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quarta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quarta-feira.

Eutanásia: Deputados voltam a adiar votação na especialidade

O texto de substituição ia ser discutido e votado esta manhã na Comissão de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias, mas o Chega pediu o adiamento, alegando pouco tempo para analisar a nova versão do diploma, uma vez que foi distribuída esta madrugada.
Comentários