Hacker ajuda proprietários de carteiras de criptomoedas a recuperar dinheiro perdido

Kingpin, acedeu com sucesso a uma carteira de criptomoedas com cerca de 2,5 milhões de dólares (2,25 milhões de euros) e passou a querer fazer do seu trabalho a recuperação de dinheiro perdido devido ao descuido humano. Mas nem todas as pessoas que pensam que têm milhões realmente os têm, e a competição no setor é grande.

Um hacker conhecido na comunidade cibernética como Kingpin, acedeu com sucesso a uma carteira de criptomoedas com cerca de 2,5 milhões de dólares (2,25 milhões de euros) e passou a querer fazer do seu trabalho a recuperação de dinheiro perdido devido ao descuido humano, seja por burla ou esquecimento, avançou o “El País”.

“Sou um hacker que dá oportunidades iguais: não sou leal a nada e questiono e desconfio de tudo”, acrescenta. Com o seu novo projeto, espera que as pessoas percebam o lado positivo do mundo em que navega: “As pessoas gostam de ver que existem hackers que fazem coisas boas”.

Em 2018, o hacker Joe Grand e o amigo Dan Reich, engenheiro elétrico, investiram 50 mil dólares (mais de 45 mil euros) em Theta, uma criptomoeda. A carteira, em fevereiro de 2021, valia cerca de 2,5 milhões. Mas surgiram dois problemas: Reich esqueceu-se da passe de acesso e a carteira criptográfica, que é uma espécie de pendrive, foi apagada após 16 tentativas erradas.

Grand levou três meses a tentar encontrar uma solução para recuperar as informações dentro da carteira porque era necessário atacar ao nível do chip, não apenas com código. Em criptografia, o dinheiro só é acessível com uma chave privada. Sem essa chave, protegida por uma senha de poucos dígitos neste caso concreto, não há nada a fazer. Mas o software estava desatualizado e Grand aproveitou esse fator para realizar o ataque.

Ambos decidiram gravar o processo num vídeo profissional em maio de 2021 e publicaram-no a 24 de janeiro. O vídeo de 32 minutos, com perto de 4,6 milhões de visualizações, explica a complexidade do ataque informático

“Hacking não é o que se vê nos filmes”, declarou Grand no vídeo. “É uma grande montanha-russa, resolvendo quebra-cabeças, forçando computadores e hardware a fazer coisas que eles não esperavam fazer, o objetivo é que eles quebrem a sua função de uma maneira que se consiga controlá-la”, esclareceu.

 

Agora Reich e Grand, juntamente com outros, são parceiros numa nova empresa, a Off Spec, que se dedica a ajudar os proprietários de criptomoedas que perderam o acesso à sua carteira, seja por esquecimento ou burla, mas também os que possuem um aparelho criptografado e não sabem como aceder. Há alguns casos bons e legítimos de problemas com os quais podemos ajudar. É emocionante”, disse ao “El País”.

Contudo “Kingpin” não consegue explicar o sucesso do vídeo: “Seja o que for, mostra que as pessoas têm problemas com criptomoedas, não é algo fácil de usar”, avançou ao “The Verge”. “Estão a sobrecarregar-nos com e-mails, centenas e centenas e centenas de mensagens”.

Para além da competição de outras empresas, o empreendimento dos amigos enfrenta outro problema: nem todas as pessoas que pensam que têm milhões realmente os têm. “Conversei com pessoas que trabalham na área e dizem que vivem num constante estado de deceção. Há momentos em que os clientes dizem que têm dinheiro e depois só têm dois dólares. Muita gente exagera”, disse.

Recomendadas

Empresas TVDE criaram mais de sete mil empregos em seis anos

Entre 2013, ano anterior ao lançamento da operação da Uber em Portugal, e 2019, o número de empresas no sector (plataformas de transportes de passageiros) cresceu 71%.

Mais de metade dos sites dos intermediários de aluguer de carros violam direito europeu

Bruxelas concluiu que em 28% dos ‘sites’ analisados, o nome da empresa intermediária não estava devidamente identificado e em mais de um terço não estava bem explicado a que empresa estariam vinculados os termos e condições de aluguer do automóvel.

NOS investe 1,8 milhões de euros no Hub 5G em Lisboa

“O desenvolvimento da quinta geração de redes móveis é um vetor de negócio estratégico da NOS, representando, nos últimos dois anos, um investimento de cerca de 350 milhões de euros”, diz a operadora.
Comentários