PremiumHumberto Pedrosa: “TAP não será uma TAPzinha se o plano for aprovado”

Humberto Pedrosa diz que “o plano de reestruturação é credível e sério para salvar a TAP”. Acionista privado confia que Bruxelas aprovará.

O acionista privado Humberto Pedrosa defende que “o plano de reestruturação é credível e sério para salvar a TAP e ser aceite pela DGComp”. O dono do grupo Barraqueiro, que detém 22,5% da companhia aérea, considera ainda que “com o que está proposto a TAP não será uma ‘TAPzinha’ se o plano for aprovado” por Bruxelas, que recebeu ontem o documento exigido no âmbito do apoio estatal de até 1.200 milhões de euros, aprovado pela Comissão Europeia a 10 de junho.

Em declarações ao Jornal Económico, o empresário português garante: “É um plano credível e sério. Os cortes previstos vão depender de Bruxelas. Acredito que vão aceitar a nossa proposta, caso contrário seguramente teremos um problema e a empresa poderá estar sujeita a cortes maiores”.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Black Friday faz volume de pagamentos com Ifthenpay aumentar 18% em novembro

A Ifthenpay, empresa portuguesa especializada e líder de mercado em pagamentos digitais para empresas, anunciou que registou um crescimento de mais 18% ao longo do mês de novembro na movimentação financeira através dos seus pagamentos digitais (+95,5 milhões de euros), e por comparação com período homólogo do ano anterior.

BPI distribui presentes de Natal a crianças no país

A edição de 2022 deverá mobilizar milhares de pessoas – entre trabalhadores sociais, voluntários, colaboradores e clientes do banco – para realizar os desejos de crianças apoiadas por instituições sociais que lutam contra a pobreza infantil em todo o país.

Exigir participação de mulheres em conferências é o novo grito pela igualdade

O BNP Paribas Portugal assumiu o compromisso de garantir 40% de mulheres no Comité Executivo do Banco e no G100 até 2025 e de não participar em conferências em cujos painéis não estejam mulheres. Acordo com movimento francês Jamais Sans Elles foi oficializado no dia 10 de novembro.
Comentários