Incêndios: Marcelo diz que “vidas paradas, adiadas” devem ser mais lembradas no Natal

“Nesses nossos compatriotas que merecem ser, neste Natal, ainda mais lembrados, estão os que viram as suas vidas paradas, adiadas, desfeitas pelas tragédias de junho e outubro”, lê-se na mensagem hoje publicada.

O Presidente da República, numa mensagem de Natal publicada este domingo, sublinha a necessidade de lembrar, nesta quadra, aqueles que “viram as suas vidas paradas, adiadas, desfeitas pelas tragédias de junho e de outubro”.

“Nesses nossos compatriotas que merecem ser, neste Natal, ainda mais lembrados, estão os que viram as suas vidas paradas, adiadas, desfeitas pelas tragédias de junho e outubro”, lê-se na mensagem publicada no Jornal de Notícias.

No texto, Marcelo Rebelo de Sousa acrescenta que houve outros que também sofreram em anos passados devido aos incêndios, “só que a inesperada intensidade das duas tragédias tudo o mais sobrelevou”.

“Acompanhar e apoiar a sua saga desde então e no refazer do futuro é essencial”, sublinhou.

Nesta época festiva, o chefe de Estado assinalou o risco de a “alegria de muitos”, poder fazer esquecer a “pena de outros tantos”, pelo que, “onde a presença física não for possível, que chegue uma palavra, um aceno, um pensamento”.

Para Marcelo, não deveria ser necessário esperar pelo Natal para falar ou a escrever sobre a solidariedade, mas sendo uma altura de encontros é o “tempo propício” para balanço “do feito e do omitido” nas manifestações solidárias no país.

Marcelo Rebelo de Sousa acentuou que o sofrimento das pessoas fragilizadas aumenta ainda mais nesta quadra. “Não deveria, porventura, assim ser, mas é”, acrescenta o presidente, para quem em alturas mais negativas “se impõe sublinhar a solidariedade, que é o fundamento da esperança”.

 

“Porque sem esperança a vida perde tanto do seu sentido” e por a “solidariedade constitui uma das razões de ser da esperança”.

Reportando-se ainda às tragédias causadas pelos incêndios, o Presidente comentou que todos os portugueses entenderam o apelo e “foram inultrapassáveis”.

“Assim estão a ser, agora, neste Natal. Vivendo a solidariedade em espírito de família. Com aquelas famílias para as quais há lugares vazios na casa, na mesa, na vida. Lugares ainda ocupados há dois, há seis meses”, concluiu.

Este ano, os incêndios florestais provocaram mais de 100 mortos, 66 dos quais em junho em Pedrógão Grande e 45 em outubro na região Centro, cerca de 350 feridos e milhões de euros de prejuízos.

Relacionadas

“Contraditório” e “inesquecível”: Marcelo e Ferro definem o ano de 2017

O presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues, considerou hoje que 2017 foi “inesquecível”, também por maus motivos, e o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, descreveu-o como “um ano contraditório”.

Fogos: Governo autoriza despesa de 60 milhões para aluguer de 50 meios aéreos

O dispositivo complementar para os próximos três anos é contratado para fazer face ao crescente risco de incêndios florestais e integra o Dispositivo Especial de Combate aos Incêndios Florestais (DECIF).

Incêndios: Costa diz que o tempo esgotou-se e que a reforma da floresta tem de avançar já

O primeiro-ministro advertiu hoje que o país continuará exposto a fenómenos climatéricos extremos e que o tempo político esgotou-se, impondo-se que os investimentos em curso no combate aos incêndios sejam acompanhados pela reforma estrutural da floresta.

Governo reforça prevenção dos fogos com entrega de 44 novas viaturas aos sapadores florestais

Nos próximos dois anos serão entregues mais 77 viaturas aos sapadores florestais. No mesmo período, serão criadas 200 novas equipas de sapadores florestais, com mais 1.000 efetivos.
Recomendadas

PremiumEUA e zona euro vão ter uma “aterragem dura” na pista da recessão no próximo ano

A subida das taxas de juro para controlar a inflação vai ter forte impacto na economia em 2023. Alemanha afunda acima da média, com China a crescer acima do previsto.

PremiumJoão Caiado Guerreiro: “Os vistos gold têm sido extremamente positivos para o país”

Área de Imigração deverá continuar a ser das mais dinâmicas da Caiado Guerreiro, apesar do anunciado fim dos vistos ‘gold’. Processo para cobrar cinco milhões de euros em honorários à Pharol vai a julgamento em fevereiro.

Custo de cabaz alimentar de bens básicos aumentou 21% para adultos num ano, diz BdP

O banco central revela que entre outubro de 2021 e outubro de 2022, o custo mensal médio e mediano de um cabaz básico de consumo alimentar para um adulto com cerca de 40 anos aumentou 21% e 24%, respetivamente.
Comentários