Iniciativa Liberal reúne 500 membros online em Convenção para eleger órgãos nacionais

A Iniciativa Liberal (IL) realiza hoje a V Convenção Nacional do partido, por videoconferência, para eleger os novos órgãos mas sem eleições para a presidência, assumida há um ano por Cotrim de Figueiredo.

Presidente do Iniciativa Liberal (IL), João Cotrim Figueiredo | Foto: Cristina Bernardo

“AV Convenção Nacional, que conta com mais de 500 membros inscritos e prevista inicialmente para ser presencial, considerando o momento que se vive, decorrerá inteiramente online, via plataforma zoom”, refere o partido.

A reunião magna de sábado tem na ordem de trabalhos, para além de outros temas, a eleição de membros para um novo mandato do Conselho Nacional, do Conselho de Jurisdição e do Conselho de Fiscalização.

Há menos de um mês, o partido liberal realizou a sua IV Convenção Nacional, também ela totalmente digital devido à pandemia, mas essa reunião foi apenas para alterações aos estatutos.

De acordo com fonte oficial do partido, concorrem a estas eleições uma lista para o Conselho de Jurisdição, uma lista para o Conselho Fiscalização e três listas para Conselho Nacional.

No entanto, os liberais não irão votar para uma nova Comissão Executiva – ou seja para a presidência do partido – uma vez que, de acordo com os estatutos, os mandatos do partido duram por dois anos e o também deputado João Cotrim Figueiredo foi eleito presidente há pouco mais de um ano, em 08 de dezembro de 2019, uma candidatura única que recolheu 96% dos votos na reunião magna do partido.

Na altura, o calendário da liderança dos liberais foi antecipado uma vez que o antigo presidente, Carlos Guimarães Pinto, anunciou, em 30 de outubro de 2019, que abandonaria o cargo por considerar a sua missão estava cumprida no “dia histórico” em que a força política se estreou com uma intervenção no parlamento.

A Iniciativa Liberal foi reconhecida pelo Tribunal Constitucional em 13 de dezembro de 2017, tendo-se estreado em eleições nas europeias de 2019.

Meses depois, nas eleições para a Assembleia da República de 2019, a Iniciativa Liberal conseguiu eleger um único deputado, João Cotrim Figueiredo, pelo círculo de Lisboa.

Nas eleições regionais dos Açores que aconteceram no final deste mês de outubro, os liberais conseguiram também entrar naquele parlamento, obtendo um mandato.

Para as eleições presidenciais, o partido já manifestou apoio à candidatura anunciada de Tiago Mayan Gonçalves, fundador da Iniciativa Liberal e atualmente presidente do Conselho de Jurisdição.

Relacionadas

Iniciativa Liberal diz que “estamos perante uma efetiva nacionalização da TAP”

João Cotrim Figueiredo garante que o plano de reestruturação da transportadora aérea, que não lhe foi apresentado por Pedro Nuno Santos, não tem viabilidade ou condições de ser aprovado. E disse que o apoio do Estado é desproporcionado face ao seu peso na economia portuguesa.
Tiago Mayan

Tiago Mayan Gonçalves pede demissão de diretora do SEF e ministro da Administração Interna

Em causa estão as mais recentes notícias sobre a morte do cidadão ucraniano, Ihor Homenyuk, em março, que, segundo Tiago Mayan Gonçalves, constituiu um desrespeito pelo Estado de direito. O pré-candidato presidencial aponta ainda o dedo a Marcelo Rebelo de Sousa pelo seu silêncio “cúmplice”.
Recomendadas

JMJ. Rui Rocha contra “obras faraónicas de utilidade duvidosa”

O novo presidente da IL, Rui Rocha, pede “bom senso” na gestão da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) e lembra que está em causa o dinheiro dos contribuintes, defendendo que “obras faraónicas de utilidade duvidosa” não fazem sentido.

Rui Rocha: Voto na IL é o único garante que PS sai do poder e que Chega não entra

O novo presidente da IL defende que o voto nos liberais é “o único” que “garante que o PS sai do poder e que o Chega não entra” e desafia o PSD a abrir o jogo sobre entendimentos pós-eleitorais.

BE vai centrar “boa parte” da sua atividade no problema transversal da habitação

“Tenho ouvido alguns argumentos sobre a constitucionalidade desta medida que partem de um pressuposto errado que é de que o BE discrimina em função da nacionalidade. Não. O que o BE faz é garantir que quem trabalha em Portugal possa ter acesso à habitação”, explicou.
Comentários