Investigação sobre documentos secretos na propriedade de Trump nas “fases iniciais”

A investigação do Departamento de Justiça norte-americano sobre se o ex-presidente Donald Trump armazenou ilegalmente registos confidenciais na sua propriedade na Florida ainda está “nas suas fases iniciais”.

A investigação do Departamento de Justiça norte-americano sobre se o ex-presidente Donald Trump armazenou ilegalmente registos confidenciais na sua propriedade na Florida ainda está “nas suas fases iniciais”, disse esta quinta-feira um procurador.

A revelação de Jay Bratt, um dos principais procuradores de segurança nacional, foi a indicação mais clara até ao momento de que o Departamento de Justiça está a examinar diretamente a conduta de Trump e está a avançar na sua investigação criminal depois de o FBI (polícia federal de investigação) ter apreendido informações classificadas e ultrassecretas durante uma busca à residência do antigo presidente em Mar-a-Lago, na semana passada.

Os detalhes sobre a investigação foram divulgados hoje numa audiência em tribunal após várias órgãos de comunicação social pedirem a um juiz federal que tornasse pública a declaração que apoiava o mandado que permitiu que agentes do FBI vasculhassem a propriedade de Trump na Florida. O Governo alega que divulgar a informação comprometeria a investigação.

Donald Trump, que considera estar a ser vítima de “uma caça às bruxas politicamente motivada”, negou hoje informações divulgadas pelo jornal Washington Post, que indicavam que o magnata norte-americano estava a procurar urgentemente reforçar a sua equipa jurídica após as buscas do FBI à sua mansão.

“A história do Washington Post de que ‘Trump está a lutar para recrutar advogados experientes’ para o caso Mar-a-Lago é, como sempre, Fake News. Já tenho advogados excelentes e experientes – estou muito feliz com eles”, escreveu Trump nas redes sociais.

De acordo com a reportagem do jornal, a atual equipa jurídica do antigo chefe de Estado não tem ninguém com experiência em casos federais e diversos advogados experientes recusaram representar Trump.

Já na quarta-feira, o Washington Post publicou uma outra reportagem indicando que, desde as buscas do FBI em Mar-a-Lago, Trump enviou mais de 100 e-mails aos seus apoiantes pedindo-lhes dinheiro e recebeu doações de milhões de dólares.

Em pelo menos dois dias, as contribuições destinadas ao comité de ação política de Trump chegaram a um milhão de dólares (quase um milhão de euros), três a quatro vezes os níveis normais, segundo duas fontes ouvidas pelo jornal e que estavam familiarizadas com os números.

Ainda de acordo com essas fontes, cuja identidade foi mantida em anonimato pelo jornal, as doações permaneceram excecionalmente elevadas durante vários dias e ainda estão acima da média, sendo que o número de pessoas a fazer as transferências de verbas também aumentou.

Essa significativa entrada de fundos ocorre num momento crucial para Donald Trump, uma vez que o anúncio da sua entrada na corrida presidencial de 2024 é visto como certa e o bilionário vinha desde o início do ano a obter retornos cada vez menores nos seus apelos ‘on-line’ por doações.

Recomendadas

Josep Borrell pressiona Israel sobre os palestinianos

O primeiro-ministro israelita Yair Lapid e o chefe de política externa da União desentenderam da reunião do Conselho da União Europeia-Israel, em Bruxelas. Pontos de vista diferentes sobre a Palestina e sobre o Irão ficaram bem evidentes.

Bulgária: eleições longe de resolverem crise política

Acusado de corrupção, o GERB voltou a ganhar as eleições e arrisca manter o país ingovernável. A única forma de ultrapassar o impasse seria um governo de coligação entre os dois maiores partidos, mas isso não parece estar no horizonte.

Indonésia. Polícia sob pressão pelo uso indiscriminado de gás lacrimogéneo

Os desacatos num estádio de futebol resultaram em 125 mortos, 17 dos quais crianças, de acordo com as autoridades. A atuação da polícia gerou o caos e vai contra as indicações da FIFA.
Comentários