“Investimento angolano é bem-vindo, com legalidade”, diz Marcelo

Presidente da República foi desafiado a comentar as revelação dos ‘Luanda Leaks’ e falou sobre o investimento angolano.

Cristina Bernardo

Marcelo Rebelo de Sousa, em visita oficial a Israel, foi esta terça-feira desafiado a falar sobre os ‘Luanda Leaks’, tendo afirmado, em declarações captadas pela “RTP”,  que “o investimento angolano é bem-vindo” desde que o mesmo seja feito “com legalidade”.

Em declarações à RTP, Marcelo adiantou que este é um tema que deve ser tratado pelos órgãos judiciais e de supervisão, sendo que, na opinião do Presidente da República, não cabe ao poder política qualquer intervenção no caso. “Estamos aparentemente perante uma matéria que envolve poderes do poder judiciário, das instituições judiciais, de investigação e decisão e dos supervisores e dos reguladores, que são independentes”, realçou o Presidente português à RTP.

“Cabe agora a esses poderes analisarem o que devem fazer, como devem fazer, se tiverem de o fazer”, sublinhou. “Não cabe ao Presidente da República, não cabe aos órgãos do poder político que não estes, estar a ter pronúncias sobre matéria que é da competência desse órgão”.

Em março do ano passado, em visita a Angola, Marcelo considerou existir, entre Portugal e Angola, “um clima de confiança adicional para que o investimento e o emprego cresçam, para que a justiça chegue, por a reunião [terceiro fórum] se fazer onde se faz [Benguela], por o processo estar centrado por toda Angola, pelos empresários que vieram de toda a Angola, de todo o Portugal, por todos estarem com os pés bem assentes no chão”.

 

Relacionadas

Luanda Leaks: Inspeção do Estado vai “a qualquer momento” fazer auditoria à Sonangol

A Inspeção-Geral da Administração do Estado (IGAE) angolana assegurou hoje que “a qualquer momento” vai fazer uma auditoria à Sonangol, mas caso receba qualquer análise da petrolífera vai “avaliar se a mesma corresponde aos pressupostos técnicos e legais”.

Líder de fiscalidade da PwC abandona cargo devido ao Luanda Leaks

Jaime Esteves, que se vai manter na empresa, diz que a seriedade das acusações não lhe permite continuar a liderar a equipa. Acrescenta que não sai pelo trabalho que fez desde 2009, mas por ter estado à frente de um departamento que está agora sob investigação.

Transparência Internacional África: Luanda Leaks pode ter “efeito dominó” em outros países

A responsável da Transparência Internacional (TI) para o sul de África considerou hoje que os ‘Luanda Leaks’ estão a provocar “ondas de choque”, nomeadamente em África, admitindo um “efeito dominó” de revelação de casos semelhantes no continente.
Recomendadas

José Luís Carneiro: Tráfico de imigrantes é “problema estrutural” e polícia intervém porque sociedade “falha”

“Não é um problema novo, é um problema estrutural”, em termos internacionais, afirmou hoje aos jornalistas o governante, no Comando Territorial de Évora da GNR, onde presidiu à inauguração do Espaço “Maria e António”, a renovada sala dedicada ao atendimento à vítima.

Violência doméstica. APAV junta-se à hamburgueria A-100 em ação de sensibilização

A hamburgueria compromete-se a doar à APAV um euro por cada sobremesa vendida esta sexta-feira e vai iniciar uma angariação de fundos na sua página de Instagram até ao final do ano, com o dinheiro a reverter a favor da associação.

Crime de violência doméstica representa metade das medidas de vigilância eletrónica

Entre 2.224 solicitações de vigilância através de pulseira eletrónica recebidas pela DGRSP de janeiro a outubro deste ano, 1.126 ocorreram no âmbito do crime de violência doméstica, correspondendo a 50,63% do total.
Comentários