Isenção total de IVA “é o mais grave e o mais chocante”, condena Rui Rio

Candidato à liderança do PSD foi instado a comentar as alterações à lei do financiamento dos partidos políticos e considerou que as mesmas foram feitas “às escondidas” e que a isenção total do IVA “é grave”.

Rui Rio apresentou hoje a sua moção de candidatura à liderança do PSD e considerou que a alteração efetuada à lei do financiamento dos partidos políticos foi “às escondidas” e “não é correta”.

Relativamente às alterações efetuadas, Rui Rio qualificou de “grave” e “chocante” a alteração referente à isenção total de IVA. “Se um partido tiver um bar e vender cerveja isso tem isenção de IVA e não tem nada a ver com a atividade política.

Rui Rio criticou também a forma como os ajustamentos à lei foram efetuados, considerando que o processo foi realizado “um bocado às escondidas e muito rapidamente a ver se passava despercebido”.

“A forma não é a correta, tem que ser feito com transparência e com tempo. Havia ajustamentos legais a fazer, agora o aproveitamento para isentar os partidos não acho nada bem. Por exemplo, estão em causa questões da Festa do Avante! [do PCP] e não acho correto que se vá por aí”, salientou.

Sobre o fim do limite para a angariação de fundos, Rui Rio considerou que não é o mais grave.

“O que seria grave era se se mexesse no teto do que cada um pode dar, porque os partidos podiam ficar muito dependentes de dois ou três grandes doadores. Mexeu-se na quantidade que os partidos podem receber de doações, sendo retirado o limite. Não é das coisas mais graves, mas eu aconselho a por um limite”, disse.

As regras do financiamento dos partidos políticos vão mudar com a alteração da lei que foi aprovada no passado dia 21 de dezembro, após cerca de um ano em discussão à porta fechada, com os votos favoráveis do PS, PSD, Bloco, PCP e PEV e a oposição do CDS e do PAN.

Com a alteração da legislação, os partidos políticos portugueses vão deixar de ter um valor máximo para os fundos angariados e passam a poder pedir a devolução do IVA de todas as despesas. No entanto, a nova lei está a causar polémica, com os partidos a serem acusados de a aprovarem às escondidas e em benefício próprio.

 

Relacionadas

O cartel partidário

Os partidos políticos portugueses não chegam a consensos em relação às grandes reformas de que o país necessita, mas conseguem entender-se, de preferência à porta fechada, quando é preciso encontrar formas criativas de se financiarem.

Santana Lopes critica PSD sobre lei do financiamento dos partidos

O candidato à presidência do PSD Pedro Santana Lopes declarou hoje não “perceber” a posição dos sociais-democratas nas alterações à lei de financiamento dos partidos, mas mostrou-se cauteloso até falar com o líder parlamentar ou outros responsáveis.

PS e PSD de acordo: mudanças na lei visam mais “transparência” no financiamento dos partidos

Tanto Carlos César como Luís Montenegro defenderam que as alterações à lei do financiamento dos partidos vão “melhorar os mecanismos de transparência de fiscalização e de controlo”. As mudanças foram aprovadas com a oposição do CDS-PP e do PAN.

Financiamento dos partidos: PSD, PS, PCP e PEV realçam “consenso alargado” para alterar lei

PSD, PS, PCP e PEV realçaram hoje que as propostas para alterar a lei do financiamento dos partidos foram feitas “num quadro de consenso alargado” que apenas não mereceu “acolhimento pontual” por parte do CDS-PP.

Partes polémicas da nova lei do financiamento partidário não chegam a ser mencionadas no preâmbulo

Exposição de motivos da lei não chega a referir nenhuma das medidas que estão no centro da polémica, adiantando apenas que são “alterações pontuais cuja introdução se tornou necessária”. Em causa está um bónus milionário para os partidos, com fim do limite para os donativos de privados e a possibilidade de devolução do IVA em todas as despesas.

Respostas Rápidas: O que muda no financiamento dos partidos?

A nova lei está a causar polémica, com os partidos a serem acusados de a aprovarem às escondidas e em benefício próprio. Saiba tudo o que está em causa.
Recomendadas

Marques Mendes: “Costa Silva recupera autoridade ou sai. O país precisa de um ministro da Economia forte”

“De um Governo com maioria absoluta, à partida um Governo forte, esperava-se unidade, coesão, determinação, energia, mobilização, espírito reformista. O que encontrámos? Exatamente o contrário”, disse este domingo o comentador da SIC.

Moçambique baixa receitas fiscais do gás ao fundo soberano para 40%

Moçambique deverá ser um dos maiores exportadores mundiais de gás a partir de 2024, beneficiando não só do aumento dos preços, no seguimento da invasão da Ucrânia pela Rússia, mas também pela transição energética.

PCP defende aumento do salário mínimo nacional para 850 euros em janeiro

O secretário-geral do PCP acusou o Governo de querer “retomar todos os caminhos da política de direita, fazer comprimir ainda mais os salários, facilitar a exploração, abrir espaço para os negócios privados na saúde e na educação, condicionando ou justificando as suas opções com as orientações e imposições da União Europeia e do euro”.
Comentários