ISP desce na gasolina com alívio de 24 cêntimos e mantém-se no gasóleo

O Governo vai reduzir a taxa de ISP para a próxima semana na gasolina, com um alívio global neste combustível de 24 cêntimos por litro, mantendo a taxa aplicada ao gasóleo, num alívio de 21,5 cêntimos por litro.

Em comunicado, o Ministério das Finanças indicou que “tendo em conta a perspetiva da evolução dos preços na próxima semana, o Governo determina a redução da taxa do ISP [Imposto sobre Produtos Petrolíferos] em 1,2 cêntimos por litro de gasolina, a partir da próxima segunda segunda-feira, dia 23 de maio. Considerando o efeito conjunto da tributação em sede de IVA e ISP, a decisão reflete-se num alívio da carga fiscal de 1,5 cêntimos por litro de gasolina”.

Por outro lado, “a taxa unitária de ISP aplicável ao gasóleo ficará inalterada, mantendo-se a aplicação dos descontos atualmente em vigor”.

Desta forma, “durante a próxima semana, o alívio global da carga fiscal sobre os combustíveis por via das duas medidas em vigor — mecanismo semanal de revisão de ISP e redução das taxas unitárias deste imposto para o equivalente a uma taxa de IVA de 13% — totalizará 21,5 cêntimos por litro de gasóleo e 24 cêntimos por litro de gasolina”, lê-se na mesma nota.

“No âmbito da revisão semanal do mecanismo de atualização do ISP, que assegura a devolução da eventual receita extraordinária do IVA face à perspetiva de evolução dos preços, a situação será reavaliada na próxima sexta-feira, dia 27 de maio”, indicou a tutela.

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta segunda-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta segunda-feira.

Costa define metas. “É urgente reconhecer nexo” entre clima e oceano

Estas metas foram assumidas por António Costa no discurso que proferiu no primeiro dia da 2.ª Conferência dos Oceanos da Organização das Nações Unidas (ONU), coorganizada por Portugal e pelo Quénia, que decorre até sexta-feira na Altice Arena, em Lisboa.

Jornalistas denunciam obstáculos ao seu trabalho na Conferência dos Oceanos. Guterres não responde, Marcelo diz que vai verificar

Jornalista brasileiro denunciou em conferência de imprensa o tratamento dado à comunicação social no evento organizado pela ONU, e que o JE pode observar no local. Guterres rejeitou responder, mas Marcelo disse que vai verificar as condições.
Comentários