Itália. UE quer novo governo a cumprir programa económico para receber mais financiamento

A Comissão Europeia indica que Itália já atingiu 45 metas nos planos de reforma que incluem áreas como o ensino e saúde, de forma a poder receber mais 21 mil milhões de euros em fundos de recuperação pós-pandemia.

A Comissão Europeia (CE) deixou um apelo ao novo governo italiano de Georgia Meloni para que mantenha os planos de reforma económica de forma a poder receber mais 21 mil milhões de euros em fundos de recuperação pós-pandemia, indica a agência “Reuters” esta terça-feira, 27 de setembro.

De resto, a Comissão Europeia revelou que a Itália já atingiu 45 metas do seu programa de reforma em áreas como o emprego público, ensino e saúde para poder ser integrada num outro programa de 192 mil milhões de euros.

“Parabéns, Itália, e continuem com o bom trabalho! A Comissão está ao vosso lado no caminho da recuperação”, referiu a presidente da CE, Ursula von der Leyen, em comunicado.

Uma posição reforçada pelo ex-primeiro-ministro italiano, Paolo Gentiloni, salientando que este financiamento é uma oportunidade única para uma transformação da economia transalpina. “Peço ao próximo governo italiano que garanta que esta oportunidade seja aproveitada”, afirmou em comunicado.

Recorde-se que a Itália já recebeu cerca de 46 mil milhões de euros em financiamento que são pagos através de doações e empréstimos.

Recomendadas

Lagarde avisa que taxas de juro vão continuar a subir

Dados da inflação na zona euro em novembro vão ser conhecidos esta semana. BCE reúne-se em meados de dezembro.

Cáritas já recebe pedidos de quem não consegue pagar empréstimo da casa

“O pânico foi imediato. O receio das pessoas, a angústia com que se aproximavam de nós a dizer ‘ai, se eu perco a minha casa’. É que nós tivemos uma crise em que houve muita gente a perder a casa; é recente ainda, está na memória das pessoas – 2008”, afirmou Rita Valadas.

Expectativas de exportação na Alemanha aumentam em novembro, diz Ifo

Depois de uma queda no mês anterior, a indústria automóvel volta a ter expectativa de crescimento nas exportações.
Comentários