Já nasceram mais de 37 mil empresas em 2017

Até final de novembro de 2017, o setor do alojamento e restauração ultrapassa o retalho, passando a ser o segundo setor onde nascem mais empresas. Valores totais ultrapassam já o nascimento de empresas em todo o ano de 2016, revela a Informa D&B.

A um mês do final de 2017, já nasceram  mais de 37.500 empresas e outras organizações, valores que ultrapassam os de todo o ano de 2016 e que retomam o crescimento interrompido nesse ano, revela  o Barómetro da Informa D&B sobre nascimento de empresas.

“Desde o início do ano nasceram 37. 547 empresas e outras organizações, mais 9,2% face ao período homólogo, ultrapassando, a um mês do final do ano, o total de constituições de 2016”, avança o estudo, dando conta que este crescimento deve-se em especial ao aumento de nascimentos nos setores dos serviços, atividades imobiliárias, construção e alojamento e restauração.

Segundo a Informa D&D, não se verifica, no entanto uma tendência generalizada nos sectores, assinalando as descidas nos setores do retalho, indústrias transformadoras e grossista.

Também até final de novembro de 2017, o setor do alojamento e restauração ultrapassa o retalho, passando a ser o segundo setor onde nascem mais empresas. A Informa D&B destaca ainda a Construção que apresenta “sinais positivos”, reduzindo os encerramentos e novas insolvências, e aumentando o número de constituições, aproximando-se do ritmo de crescimento das atividades imobiliárias.

Já os encerramentos registados entre janeiro e novembro de 2017 (12.552) desceram 2,9% em comparação com o mesmo período de 2016, apresentando uma redução consistente desde abril.

Nas novas insolvências (2.480), avança o Barómetro da Informa D&B, o ciclo de descida iniciado em 2013 mantêm-se em 2017, sendo generalizado aos vários setores e regiões do país.

No período em análise, a percentagem de empresas que cumprem os prazos de pagamento acordados  foi de15,8%,  atingindo em novembro o valor mais reduzido desde 2007.

Faro, Setúbal e Lisboa lideram

A quase totalidade dos distritos sobe o número de constituições. Com destaque para o distrito de Lisboa (mais 14,6%), Setúbal (mais 19,7%), Faro (mais 20,1%) e Porto também apresentaram um crescimento acentuado no acumulado dos 11 meses de 2017.

“O distrito do Porto (mais 5,4%), segundo maior distrito em empresas e que inverte a tendência decrescente de 2016”, revela a Informa D&B.

Segundo o Barómetro, a maioria dos setores e distritos desce ou mantém o número de encerramentos. Em destaque, encontra-se o distrito do Porto onde encerraram menos 249 empresas e outras organizações (menos 10,9%). O distrito de Lisboa (mais 85 encerramentos) mantém-se em contraciclo neste indicador.

Nos últimos 12 meses, o número de empresas criadas por cada uma que encerra foi de 2,5 (rácio nascimentos/encerramentos) valor ligeiramente superior ao verificado há um ano atrás (2,3).

A percentagem de empresas que pagam dentro dos prazos acordados (15,8%) atingiu o valor mais baixo desde 2007. O atraso médio de pagamento situa-se nos 26 dias, valor semelhante ao registado nos últimos 12 meses.

 

Recomendadas

Conferência “Poupar e Investir para um Futuro Melhor” a decorrer em Lisboa, com o apoio do Jornal Económico

A conferência é organizada pela Optimize Investment Partners, sociedade gestora portuguesa que disponibiliza uma gama de soluções de investimento para diversos perfis de risco e objetivos. Moderada por Nuno Vinha, subdiretor do Jornal Económico, consiste numa palestra de 30 minutos de cada um dos quatro oradores, um coffee break e uma mesa redonda com espaço para perguntas e respostas e interação com a plateia.

SIBS: mais de um quinto do valor gasto na Black Friday foi em compras online

O comércio online continua a ganhar peso nas compras em Portugal. Dados da SIBS revelam que 22% do valor gasto na última Black Friday foi em compras online, um peso que bate por muito os 18% do ano passado.

União Europeia, G7 e Austrália limitam barril de petróleo russo a 60 dólares

Os 27 estados-membros da UE chegaram a acordo, esta sexta-feira, no estabelecimento de um teto máximo para o preço do petróleo russo nos 60 dólares por barril. Os sete países mais industrializados do mundo (G7) e a Austrália juntam-se na decisão.
Comentários