Jerusalém: Manifestantes em Gaza queimam fotos de Trump e bandeiras dos EUA

Centenas de pessoas manifestaram-se hoje na Cidade de Gaza contra a anunciada intenção do presidente norte-americano de reconhecer Jerusalém como capital de Israel e queimaram fotos de Donald Trump e bandeiras dos Estados Unidos.

Twitter @A_LIGA_AZUL

“As manifestações de ira são um de uma série de passos que nós, países árabes e islâmicos, vamos dar contra a decisão norte-americana de tomar a cidade de Jerusalém”, afirmou o dirigente do Hamas Salah al-Bardaawil, numa intervenção durante o protesto.

Bardawil considerou a decisão dos Estados Unidos “muito perigosa para a causa palestiniana” e “uma violação da doutrina, da história, do coração e da alma” palestiniana.

O dirigente advertiu que o anúncio da decisão de Trump conduzirá a “um levantamento popular e, nessa altura, a resistência fará queimar a terra e cortar as mãos de quem quer que tente estendê-las para Jerusalém e para os lugares sagrados”.

O dirigente da Jihad Islâmica Khaled al-Batsh também interveio no protesto para assegurar que “o povo palestiniano, em casa e na diáspora, juntamente com todos os povos livres do mundo, rejeita a tendenciosa decisão norte-americana”.

A medida de Trump, acrescentou, “confirma o fracasso do processo de paz” e os países árabes e muçulmanos devem “romper os laços com os Estados Unidos e retirar o reconhecimento de Israel e dos Acordos de Paz de Oslo” de 1993.

Os manifestantes gritaram palavras de ordem em defesa da Mesquita de Al-Aqsa, situada na Esplanada das Mesquitas, na cidade velha de Jerusalém, território palestiniano ocupado sobre o qual Israel declarou em 1980 uma soberania não reconhecida por nenhum país.

As organizações palestinianas declararam três ”dias de ira” a partir de hoje e o Hamas apelou para uma jornada de luta na sexta-feira na Faixa de Gaza, mas também na Cisjordânia e em Jerusalém.

O presidente norte-americano, Donald Trump, deverá anunciar hoje que os Estados Unidos vão reconhecer Jerusalém como capital de Israel, e transferir a sua embaixada de Telavive para Jerusalém, contrariando a posição da ONU e dos países europeus, árabes e muçulmanos, assim como a linha diplomática seguida pelos Estados Unidos até agora.

Os países com representação diplomática em Israel têm as embaixadas em Telavive, em conformidade com o princípio, consagrado em resoluções das Nações Unidas, de que o estatuto de Jerusalém deve ser definido em negociações entre israelitas e palestinianos.

Recomendadas

União Europeia, G7 e Austrália limitam barril de petróleo russo a 60 dólares

Os 27 estados-membros da UE chegaram a acordo, esta sexta-feira, no estabelecimento de um teto máximo para o preço do petróleo russo nos 60 dólares por barril. Os sete países mais industrializados do mundo (G7) e a Austrália juntam-se na decisão.

Imigrantes do Bangladesh denunciam extorsão para obter vistos para Portugal

Um dos problemas para os bengalis está no facto de não existir representação diplomática portuguesa no seu país, o que os força a terem que recorrer à vizinha Índia. Entre Daca, capital do Bangladesh, e Nova Deli, capital da Índia, distam mais de 1.800 quilómetros.

Governo italiano aprova envio de armas à Ucrânia para todo o ano de 2023

O Governo italiano aprovou um decreto prolongando o fornecimento de ajuda, incluindo armamento, à Ucrânia para todo o ano de 2023.
Comentários