João Rendeiro tinha hotéis de cinco estrelas em Joanesburgo como “local habitual de refúgio”

Ex-banqueiro terá sido detido na cidade de Durban, embora o diretor nacional da Polícia Judiciária não tenha revelado o local. Luís Neves garantiu, ainda assim, que o fundador do Banco Privado Português “tinha muitos cuidados e não circulava livremente”.

O fundador do Banco Privado Português (BPP), João Rendeiro, detido na manhã deste sábado na África do Sul, onde se encontrava desde 18 de setembro, tinha como “local habitual de refúgio” hotéis de cinco estrelas na zona financeira de Joanesburgo. Segundo a CNN Portugal, terá sido também numa unidade hoteleira com a mesma classificação, mas na cidade de Durban, que a polícia sul-africana apanhou o ex-banqueiro quando em Portugal eram 05h00.

O diretor nacional da Polícia Judiciária (PJ), Luís Neves, não identificou o local da detenção, dizendo apenas que a polícia sul-africana cumpriu o mandado de detenção internacional numa localização “muito longe de Pretória e de Joanesburgo”, tendo Rendeiro ficado “surpreendido”, pois “não estava à espera” de ser localizado.

Ainda assim, o principal responsável pela força policial de investigação criminal deixou claro, numa conferência de imprensa em que mostrou confiança com a possibilidade de o agora detido ficar em prisão preventiva e vir a ser extraditado para Portugal – onde transitaram em julgado condenações que, em conjunto, acarretam 18 anos de prisão efetiva -, “Rendeiro dizer que não está fugido é patético, no mínimo”.

“São conhecidas várias cidades por onde ele andou para dificultar o cumprimento da detenção. Tinha muitos cuidados e não circulava livremente nesse país”, acrescentou Luís Neves.

O diretor nacional garantiu que a PJ teve “informação e perceção de onde Rendeiro passou até chegar à África do Sul”, após ter saído do Reino Unido quatro dias antes, e acrescentou que “poderia haver saídas e entradas por países na fronteira”.

Também foi revelado por Luís Neves que João Rendeiro tinha uma autorização de residência na África do Sul emitida a 10 de novembro de 2021, na qualidade de cidadão português. Sem responder a perguntas quanto à possibilidade de o ex-banqueiro ter ou estar a requerer dupla nacionalidade, o diretor nacional da PJ disse estar convencido de que “foi um apoio pessoal naquele país que lhe possibilitou esconder-se”.

“Já sabíamos antes de a mulher de Rendeiro o dizer em tribunal que ele se encontrava na África do Sul”, acrescentou Luís Neves, considerando “normal” que esta tenha possa ter mantido contacto com o marido enquanto este se encontrava em fuga à justiça portuguesa.

Relacionadas

Luís Neves: “A Polícia Judiciária não lava a face a ninguém”

“Nós também cometemos por vezes os nossos lapsos”, disse o diretor nacional da Polícia Judiciária, que minutos admitira que a fuga de João Rendeiro teve impacto negativo na imagem de Portugal.

Diretor nacional da PJ confiante na extradição de João Rendeiro da África da Sul

Luís Neves destacou cooperação internacional com altos responsáveis policiais sul-africanos e angolanos e disse que Portugal realça a “grande capacidade económica” e “grande capacidade de fuga” do ex-banqueiro como argumento para que fique em prisão preventiva até haver decisão quanto à extradição. Procuradoria-Geral da República emitiu um documento de sustentação.

Se for extraditado para Portugal Rendeiro é preso para cumprir pena de cinco anos e oito meses

João Rendeiro está condenado em três processos judiciais relacionados com o colapso do BPP. Processos que foram investigados pela Polícia Judiciária através da Unidade Nacional de Combate à Corrupção (UNCC). Mas até agora apenas um deles transitou em julgado.
Recomendadas

Espanhóis endinheirados invadem gestoras de fortuna com pedidos sobre como pôr o dinheiro em Portugal

Segundo o jornal espanhol Expansión, os bancos espanhóis estão a ser inundados com pedidos de análise e informação sobre os efeitos da mudança de residência fiscal e transferência de parte (ou totalidade) do património para outras jurisdições incluindo Portugal, devido aos aumentos de impostos que estão a ser implementados pelo governo espanhol.

Site e aplicação do BCP com acesso limitado

A aplicação móvel e o site do banco estão com acesso limitado esta segunda-feira. Fonte oficial confirma ao JE que o problema “está diagnosticado e o serviço deve ser restabelecido dentro em breve”.

APB promove Open Day na banca para ensinar jovens a poupar e investir

“Ao longo da semana, iremos realizar dois webinars destinados aos alunos do ensino secundário e profissional sobre as opções de investimento disponíveis para quem quer começar a investir e os cuidados a ter na contratação destes produtos online”, anuncia a Associação Portuguesa de Bancos.
Comentários