PremiumJoe Biden em visita ao Japão e à Coreia do Sul para colocar pressão à China

Há mais mundo para lá da Ucrânia: uma base militar chinesa nas Ilhas Salomão e os novos mísseis norte-coreanos impõem esta viagem.

A guerra na Ucrânia tem desviado a administração da Casa Branca do alvo principal da sua estratégia externa, a China, mas a eleição de um novo presidente na Coreia do Sul, Yoon Suk-yeol, é a ‘desculpa’ certa para a primeira viagem (entre 20 e 24 de maio) de Joe Biden à Ásia como presidente dos Estados Unidos da América.

A mensagem que leva a bordo, que a Casa Branca se preocupou em divulgar aos órgãos de comunicação social norte-americanos, não podia ser mais óbvia: a China deve abster-se de replicar os avatares da Rússia no Ucrânia, principalmente em Taiwan.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumEleições antecipadas são “uma grande incógnita”

A coligação a que muitos chamaram contranatura durou apenas um ano. O país segue para novas eleições antecipadas no outono e a possibilidade do regresso de Benjamin Netanyahu é real. Mas alguma coisa pode ter mudado em Israel.

PremiumAuditoria ao Novobanco há meses à espera do Parlamento

A terceira auditoria da Deloitte ao Novobanco foi entregue aos deputados em abril, mantendo-se como confidencial de forma provisória. Desde então, o tema não voltou a ser discutido.

PremiumMacron testa “reconfiguração do sistema partidário”

Passou da maioria absoluta para a mais pequena maioria relativa da 5ª República. O presidente francês tem agora cinco anos para provar o que vale. Ou um, a acreditar nas vozes mais radicais que vêm do interior seu próprio partido.
Comentários