José Manuel Bolieiro indigitado presidente do governo regional dos Açores

Líder social-democrata vai formar governo depois de ter formalizado uma coligação com o CDS-PP e PPM e de assegurar apoio na assembleia legislativa regional dos deputados do Chega e da Iniciativa Liberal. Terminam 24 anos consecutivos de governação socialista na região autónoma.

José Manuel Bolieiro

O representante da República nos Açores, Pedro Catarino, indigitou o líder regional social-democrata José Manuel Bolieiro enquanto próximo presidente do governo regional dos Açores, considerando que o compromisso escrito com os deputados do Chega e da Iniciativa Liberal permite que a coligação formada pelo PSD, CDS-PP e PPM tenha maioria absoluta na assembleia legislativa regional, contando com 29 dos 57 lugares.

A decisão de Pedro Catarino, que põe termo a 24 anos consecutivos de governação socialista na região autónoma, foi justificada pelo facto de o PS, liderado pelo até agora presidente do governo regional Vasco Cordeiro, não ter conseguido fazer coligações ou acordos escritos de incidência parlamentar. Assim sendo, apesar de ter continuado a ser o partido mais votado, como sucede desde as eleições regionais de 1996, só conseguiu 25 deputados na assembleia legislativa regional, perdendo cinco em relação aos seus eleitos na anterior legislatura.

Pelo contrário, o PSD de José Manuel Bolieiro (com 21 eleitos) assegurou 26 mandatos ao chegar a um acordo político escrito válido para quatro anos com o CDS-PP (três deputados) e PPM (dois deputados), assegurando o representante da República que os três partidos estão “igualmente confiantes na solidez do acordo”. E foi deixada a garantia de “compromisso parlamentar estável” do Chega e da Iniciativa Liberal que se refletirá na aprovação do programa de governo, nos votos em moções de censura e votos de confiança, e na aprovação dos orçamentos regionais.

Por apurar está a forma como o programa de governo da coligação de direita irá conciliar as exigências deixadas pelo Chega e pela Iniciativa Liberal, que vão desde uma auditoria à governação socialista até à diminuição do peso do Estado na economia regional e à redução do elevado número de beneficiários do rendimento social de inserção.

Muito criticada pelos socialistas, nos Açores a nível nacional, está a ser o acordo entre o PSD e o Chega. No final da reunião da Comissão Política do PS, na qual foi aprovada liberdade de voto aos dirigentes e militantes nas presidenciais de 2021, António Costa considerou “um facto da maior gravidade” o acordo alcançado entre Rui Rio e André Ventura, a quem chamou “candidato da extrema-direita xenófoba”, acusando o líder social-democrata de “abrir a porta aos inimigos da democracia”.

Relacionadas

Alívio fiscal radical e privatizações entre as 12 exigências da Iniciativa Liberal para viabilizar governo de direita nos Açores

Partido enviou carta ao PSD com as condições para o seu deputado na assembleia regional possa aprovar o programa de governo da coligação de direita liderado por José Manuel Bolieiro. Liberais não ficaram satisfeitos com a primeira resposta, que encararam como um “acordo de submissão”.

Eleições Açores: Rio acusa PS de mentir sobre acordos com Chega e lembra ‘geringonça’

Em publicações colocadas de madrugada na sua conta oficial da rede social Twitter, Rui Rio acusa ainda a “família socialista de se achar a legítima proprietária dos Açores”.

Eleições Açores: Chega anuncia que vai viabilizar governo de direita nos Açores

O partido Chega anunciou esta sexta-feira que “vai viabilizar o governo de direita nos Açores”, após ter chegado a um acordo com o PSD em “vários assuntos fundamentais” para a Região Autónoma e para o país.
Recomendadas

IL propõe lei para alterar o código do imposto sobre os veículos

A IL propõe que a taxa intermédia de ISV de 25% seja aplicável a todos os veículos híbridos com matrícula de qualquer Estado-membro da UE, sendo tributados à data da introdução no mercado europeu e não da data em que são introduzidos no território nacional

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta sexta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta sexta-feira.
TAP

“Ilegal”. Oposição espera que seja esclarecida legalidade do bónus à CEO da TAP

PSD, Bloco de Esquerda e Chega questionaram esta sexta-feira a legalidade do bónus que está previsto pagar à Christine Ourmières-Widener. O JE faz manchete com a notícia que o valor de até três milhões de euros não será devido.
Comentários