Lisbon Law Summit. Jovens advogados foram os mais afetados pela pandemia

“O escritório é um lugar sagrado na Advocacia”, afirmou o advogado Rui Gomes da Silva na Lisbon Law Summit, que esta terça-feira, 14 de dezembro, decorre na Universidade Católica em Lisboa, tendo O Jornal Económico como media partner.

A conclusão é unânime. A formação dos jovens advogados e a passagem do conhecimento nas sociedades foram os aspectos mais prejudicados pela pandemia da Covid-19. O tema “Os desafios da advocacia societária durante o Covid19. O que ficará para o futuro”, um dos seis abordados esta terça-feira, 14 de dezembro, no Lisbon Law Summit,  que decorre na Universidade Católica Portuguesa em Lisboa, sentou à mesa quatro advogados: Rui Gomes da Silva, Leonor Costa Freitas, Sócia da GPA Advogados, Hugo Teixeira, Sócio Contratado da Abreu Advogados, e Inês Palma Ramalho, advogada do departamento de Financeiro e Governance da Sérvulo.

O Jornal Económico é media partner da iniciativa, cuja anfitriã é nesta terceira edição a Escola de Lisboa da Faculdade de Direito da Universidade Católica Portuguesa. O seu Diretor, Jorge Pereira da Costa, na foto, presidiu à sessão de abertura e falou do triplo desafio que enfrenta o ensino do Direito: globalização, tecnologia e ética.

Leonor Costa Freitas recuou a março de 2020, lembrando que, de um dia para o outro, as cento e tal pessoas da firma foram trabalhar para casa, mas o escritório nunca esteve totalmente fechado. “Adaptámo-nos muito rapidamente”,  afirmou, admitindo, no entanto, que se torna mais exigente manter o espírito de equipa e a cultura do escritório, mas o mais difícil mesmo foi dar acompanhamento aos mais jovens. A advogada é adepta de um sistema misto, que “tem que ser gerido caso a caso, conforme os departamentos e a maneira de trabalhar de cada um.  Por enquanto, acrescentou: “vamos identificando tendências”.

Hugo Teixeira, da Abreu Advogados, lamentou não ter podido usufruir das novas instalações junto ao rio para onde a sociedade mudara na vésperas da pandemia, apesar disso, a adaptação em casa foi fácil e com ganhos evidentes: “tornámo-nos mais produtivos em muitas situações”, salientou, acrescentando que também foi possível perceber coisas comezinhas como a de que é muito mais grave chegar dois minutos atrasado a uma reunião por Zoom do que 10 ou 15 minutos a uma reunião física. Usou a palavra flexibilidade para aludir ao futuro.

Inês Palma Ramalho revelou ter sido mãe durante a pandemia e confessou-se fã do teletrabalho. Disse que a Sérvulo tinha realizado um investimento muito grande na Informática e existia já muita autonomia na firma, o que facilitou todo o processo de trabalho neste período de pandemia.  “Quanto mais novo for o advogado, mais complicado é estar em ‘remote’, porque aprende menos” e, sim, “perderam-se alguns momentos de aprendizagem importantes nos mais novos por conta da pandemia”.

Rui Gomes da Silva foi a voz dissonante no painel. Confessou não ter falhado um só dia no escritório, nem outra coisa faria sentido, salientou  – “o escritório é um lugar sagrado na Advocacia; não é um call, center. A vulgarização do Zoom e do teletrabalho está a dar cabo da profissão… e na perspetiva dos mais novos é muito pior”.

Negócio a crescer

Do ponto de vista do negócio, os quase dois anos de pandemia, são bons anos. O primeiro melhor do que o anterior e o segundo melhor do que o primeiro. Nenhuma área cresceu exponencialmente, mas há áreas com crescimento assinalável como as tecnologias, as fintechs, a cibersegurança e a protecção de dados e logo, logo a seguir ao deflagar da crise sanitária, com os lay-off, a área laboral. O turismo e a hotelaria caíram, mas já estão em recuperação acelerada. Rui Gomes da Silva elege a saúde como área de futuro e assinala uma diminuição crescente do contencioso. Uma última palavra para a  burocracia. “Aumentou imenso e a demora também”.

A Lisbon Law Summit é organizada pelo Lisbon Awards Group, vai na terceira edição e pretende juntar a elite jurídica nacional para o debate de várias temáticas sobre as novas práticas da advocacia bem como dos temas mais quentes da área do Direito.

 

Recomendadas

Ordem dos Advogados alerta conselhos regionais para “desequilíbrios orçamentais”

Segundo a Ordem dos Advogados, o conselho regional do Porto foi o único entre os sete que existem no país que apresentou um orçamento equilibrado, mas “está em risco de perder as suas instalações”

PremiumParpública escolhe VdA para assessorar venda da Efacec

O Governo depois de analisar vários cenários optou por retomar o processo de privatização da Efacec e já há caderno de encargos.

Premium“M&A pode ter algum abrandamento mas vai continuar dinâmico”

Num ano marcado pela incerteza gerada pelo conflito na Ucrânia, pela escalada da inflação e pela subida dos juros, áreas de prática como Energia e Reestruturações deverão ter grande atividade, diz a líder da Abreu. M&A permanece dinâmico graças a sectores como tecnologia.
Comentários