Lucros da Greenvolt sobem 43% no primeiro trimestre

A companhia tem em operação e em construção um total de 371 megawatts (MW) em todas as tecnologia

6 – João Manso Neto

Os lucros da Greenvolt subiram 43% para 1,3 milhões de euros no primeiro trimestre deste ano face a período homólogo, anunciou hoje a empresa.

Excluindo custos de transação, o EBTIDA disparou 241% para 22 milhões de euros, com as receitas totais a subirem 167% para 56, milhões de euros, com “o segmento da biomassa residual a dar o maior contributo dada a maturidade deste negócio”.

A companhia tem em operação e em construção um total de 371 megawatts (MW) em todas as tecnologias. O pipeline de projetos de desenvolvimento de energia solar fotovoltaica e eólica atinge os 6,6 gigawatts com 2,7 gigawatts em fase avançada até ao final de 2023.

“Os resultados desta área de negócio refletem a fase de preparação dos projetos e a expansão da atividade, cujas receitas provenientes da estratégia de rotação de ativos apenas são geradas pelo processo de alienação, bem como os custos operacionais incorridos durante a fase de construção dos parques solares em construção em Portugal. Nesta medida, o EBITDA gerado foi negativo em cerca de 2,9 milhões de euros, tendo as receitas ascendido a 2,2 milhões, na sua maioria relacionadas com serviços de asset management”, segundo a companhia.

Em relação à invasão russa da Ucrânia, e sobre o facto de deter a empresa polaca de energias renováveis V-Ridium (V-R), a empresa liderada por João Manso Neto disse que ” não espera efeitos adversos materiais face à dramática situação que se vive na Ucrânia, apesar da V-R ter atividade significativa na Polónia e Roménia, e países vizinhos”.

A dívida financeira líquida da GreenVolt no final de março de 2022 atingia os 180,5 milhões de euros, “sendo que as linhas de Caixa e equivalentes eram de 238,1 milhões de euros”.

Recomendadas

Afinal, que soluções existem para as empresas?

O Banco Português de Fomento lançou no início do ano os dois primeiros programas para apoiar a solvabilidade do tecido empresarial português. A banca está focada em aconselhar e montar as operações.

Presidente da Ryanair antecipa subida de preços nas ‘low-cost’

Michael O’Leary diz que o preço médio por bilhete deverá subir entre 10 a 20 euros nas viagens low-cost, que estão a tornar-se, segundo o mesmo, “demasiado baratas”.

Candidaturas selecionadas para o Consolidar conhecidas em julho

Os programas Recapitalização Estratégica e Consolidar têm gerado grande interesse, diz a presidente da comissão executiva do Banco Português de Fomento, Beatriz Freitas, ao Jornal Económico.
Comentários