Lucros da Jerónimo Martins sobem 40% para 261 milhões de euros no primeiro semestre

As vendas consolidadas do grupo cresceram 20%, em termos homólogos, para os 11,9 mil milhões de euros.

Pingo Doce

A Jerónimo Martins reportou esta terça-feira um resultado líquido foi de 261 milhões de euros nos primeiros seis meses deste ano, o que significa um aumento de 40,3% em comparação ao primeiro semestre de 2021.

O lucro por ação foi de 42 cêntimos e o EBITDA (lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização) da empresa fixou-se nos 851 milhões de euros, depois de um acréscimo de 19% relativamente ao mesmo semestre do ano passado.

“A força do desempenho das nossas equipas nos primeiros seis meses do ano é inegável, num contexto de muita incerteza, com elevada inflação alimentar, uma crise energética sem precedentes neste século, e disrupções ao nível das cadeias de abastecimento internacionais”, comentou o presidente da Jerónimo Martins, Pedro Soares dos Santos, no relatório financeiro.

As vendas consolidadas do grupo cresceram 20%, em termos homólogos, para os 11,9 mil milhões de euros. Por outro lado, o programa de investimento da Dona do Pingo Doce atingiu os 318 milhões de euros neste período, dos quais pouco mais de metade (51%) foram canalizados para a Biedronka, na Polónia.

“A crise energética acarreta aumentos continuados e significativos nos custos de eletricidade e dos transportes que exigem um foco acrescido das equipas na gestão rigorosa da produtividade e da eficiência. Esta situação aconselha prudência quando projetamos a evolução da inflação em geral e as suas consequências socioeconómicas”, adverte o CEO, no documento enviado à CMVM.

Os supermercados Pingo Doce viram as vendas crescer 8,5% entre janeiro e junho para 2,1 mil milhões de euros e 10,9% só no segundo trimestre. Já o Recheio beneficiou da retoma do turismo no país e, portanto, de mais compras por parte dos restaurantes, tendo esta insígnia registado um crescimento de vendas de 28,9% para 513 milhões de euros ( e 26,8% no segundo trimestre ).

Logo, a retalhista mantém o outlook. “O esforço de contenção dos preços de venda será mantido, num contexto em que a inflação ao nível dos custos aumentará a pressão sobre as margens percentuais das nossas insígnias. Reafirmamos, assim, as perspetivas para o ano tal como apresentadas no dia 9 de março de 2022, aquando da divulgação dos resultados de 2021”, conclui Pedro Soares dos Santos.

Recomendadas

“Taxa Amazon”. Barcelona prepara-se para taxar empresas de entregas

A cidade espanhola deverá aplicar uma taxa às empresas que circulem no espaço público para entregar encomendas online. Medida abrange empresas com mais de um milhão de euros em receitas anuais e deverá encaixar cerca de 3 milhões nos cofres da autarquia.

ORES Portugal compra três hipermercados por 26,2 milhões que alugará ao Continente (com áudio)

Os três ativos imobiliários são objeto de contratos de arrendamento de longa duração com o Continente, do grupo Sonae, segundo um comunicado da SIGI do Bankinter e da Sonae Sierra.

Minipreço diz que lança o primeiro saco de plástico que protege os oceanos, mas é virtual

A cadeia de supermercados Minipreço, no sentido de alertar para a imprescindibilidade de reduzir o consumo de plástico, nomeadamente sacos e descartáveis, diz que foi criado “um saco de plástico virtual que, ao invés de prejudicar a natureza, auxilia na sua preservação através de donativos”.
Comentários