Lula da Silva encerra campanha em caminhada com clima de festa

O ex-presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva participou numa caminhada com os seus apoiantes em clima de festa este sábado em São Paulo, no seu último compromisso oficial antes da primeira volta das eleições brasileiras.

Paulo Whitaker/Reuters

Lula da Silva não discursou no dia de reflexão, mas desfilou num carro aberto ao lado do candidato ao governo do estado de São Paulo do Partido dos Trabalhadores (PT), Fernando Haddad, do candidato ao senado Márcio França e do candidato a vice-presidente na sua candidatura, Geraldo Alckmin.

Outros políticos que fazem parte da corrente progressista que tenta substituir o Presidente e candidato a reeleição, Jair Bolsonaro, e seus apoiantes no Governo e no Congresso como os candidatos a deputado federal Guilherme Boulos e Sonia Guajajara também estavam no local.

No ato, centenas de pessoas dançavam em clima de Carnaval abrindo espaço para o veículo de Lula da Silva passar fazendo gestos com as mãos imitando a letra L, inicial do nome do candidato.

Os apoiantes do ex-presidente empunhavam bandeiras vermelhas com detalhes nas cores verde e amarelo, em conjunto com trabalhadores que promovem campanhas de candidatos de esquerda e suas bandeiras coloridas.

Letícia Caroline Nogueira, 34 anos, do Movimento Sem Teto, empunhava uma bandeira do PT na rua Augusta aguardando o ex-presidente na véspera do que chamou de “dia decisivo” porque “amanhã é Lula.”

“Pela nossa moradia eu apoio Lula. Estamos saindo do local onde moramos e espero que ele nos ajude a conseguir uma casa. Será uma vitória no primeiro turno, é Lula”, disse.

A caminhada na rua Augusta pode ser o ato final da campanha presidencial porque Lula da Silva tem fortes hipóteses de vencer na primeira volta já que mantém 48% das intenções de voto, segundo as últimas sondagens, e precisa obter mais de 50% dos votos para comandar novamente o Palácio do Planalto, sede do Governo brasileiro, a partir de 2023.

O local escolhido é muito próximo de onde o Partido dos Trabalhadores (PT) pretende organizar uma festa na noite de domingo, na Avenida Paulista, quando os resultados das urnas serão conhecidos e se a vitória do ex-presidente de facto acontecer.

Claudia Piccine, 47 anos, disse esperar que a eleição termine no domingo, mas acredita que há fortes possibilidades de uma segunda volta.

“Queria acordar segunda com a esperança de um Brasil melhor e fazer novos planos”, frisou a eleitora de Lula da Silva.

“Se ganhar amanhã estarei aqui. Aonde estiver festa estarei. Orgulho-me de ser pobre e periférica e vi as mudanças do Governo Lula, o acesso a educação e oportunidade de emprego”, completou.

A primeira volta das eleições brasileiras acontecem neste domingo e a segunda volta no dia 30 de outubro.

Recomendadas

Mundial2022: Qatar condena campanha “infundada” em resposta a críticas do PE

O Qatar condenou a resolução adotada na semana passada pelo Parlamento Europeu (PE) criticando a sua escolha como sede do Mundial de futebol em curso e denunciou uma campanha “infundada” assente em “acusações falsas e informação enganosa”.

Covid-19: Human Rights Watch pede respeito pelos direitos de manifestantes na China

A Human Rights Watch defendeu hoje que o Governo chinês deve respeitar os direitos de todos aqueles que protestam pacificamente contra as restrições no combate à pandemia de covid-19.

Sociedade civil são-tomense pede investigação internacional a “triste episódio” com quatro mortos

A sociedade civil são-tomense pediu hoje aos parceiros de cooperação uma “investigação internacional urgente” sobre o “triste episódio” do ataque ao quartel militar, na sexta-feira, em que morreram quatro pessoas, alegadamente após “agressão e tortura”.
Comentários