Luz Saúde com lucros a caírem 20% para 17,4 milhões

A empresa do Grupo Fosun anunciou que o resultado líquido atribuível aos acionistas de 17,4 milhões, representando um decréscimo de 20,2% face ao período homólogo do ano anterior.

A sociedade que gere o Hospital da Luz teve lucros em 2016 de 17,4 milhões de euros, o que representa uma queda de 20,2% face ao ano anterior.

Em 2016, a Luz Saúde aumentou os seus rendimentos operacionais consolidados em 6,4% face ao período homólogo, atingindo os 450,7 milhões de euros, impulsionados pelo crescimento de 8,3% da atividade do segmento de cuidados de saúde privados, apesar da redução do número de dias úteis fruto da reintrodução de quatro feriados (impacto estimado de cerca de 1,5 p.p. no crescimento do segmento privado).
O EBITDA atingiu os 52,1 milhões em 2016 e a margem EBITDA foi de 11,6%, um decréscimo de 2,8 p.p. face a 2015. Este desempenho foi justificado pela performance do segmento público que teve uma margem negativa, justificada fundamentalmente pelo aumento do peso dos custos com fármacos devido ao incremento de atividade a nível da Oncologia e do tratamento do VIH/SIDA, bem como do aumento de custos com pessoal fruto do aumento do número de internos de medicina e do efeito da anualização do reforço do quadro efetuado em 2015, avança a empresa liderada por Isabel Vaz, e que tem Jorge Magalhães Correia como Chairman.

A redução da margem EBITDA refletiu-se no resultado líquido atribuível aos acionistas de 17,4 milhões de euros, representando um decréscimo de 20,2% face ao período homólogo. 

Em 2016, o CAPEX consolidado da Luz Saúde foi de 54 milhões, dos quais 35 milhões representam investimento de expansão, quer em termos geográficos, com a aquisição do Hospital da Luz Guimarães e do Hospital do Mar Gaia, bem como o início da construção de uma nova unidade em Vila Real, quer de unidades já existentes, com o investimento em curso na expansão do Hospital da Luz em Lisboa, do Hospital da Luz Clínica de Oeiras e do Hospital da Luz Arrábida, diz o relatório e contas.

Os restantes 19 milhões corresponderam a investimentos de reposição e atualização tecnológica, com destaque para a área de diagnóstico por imagem, distribuídos pelas várias unidades do Grupo.

No final de 2016, a dívida líquida consolidada da Luz Saúde totalizava 212,6 milhões de euros, representando um aumento de 25,1 milhões face ao valor de final de ano de 2015 (redução de 7,3 milhões face ao final do primeiro semestre de 2016, por melhoria do fundo de maneio), devido principalmente ao investimento de expansão realizado e ao aumento do nível de fundo de maneio, justificado maioritariamente pelo crescimento da rubrica de clientes do segmento privado. Este
aumento associado à evolução do EBITDA conduziu a um aumento do rácio dívida líquida / EBITDA para 4,1 vezes (3,5x em 2015).

Os rendimentos operacionais do segmento de cuidados de saúde privados totalizaram 354,4 milhões, 8,3% acima do período homólogo, apesar da redução do número de dias úteis fruto da reintrodução de quatro feriados (impacto estimado de cerca de 1,5 p.p. no crescimento do segmento privado).

O Grupo presta os seus serviços através de 20 unidades (onde se incluem dez hospitais privados,
um hospital do SNS explorado pela Luz Saúde em regime de Parceira Público-Privada (PPP), sete clínicas privadas a operar em regime de ambulatório e duas residências sénior) e está presente nas regiões Norte, Centro e Centro Sul de Portugal, sendo detentor, em certas regiões, do único hospital privado em exploração.

Recomendadas

TAP: Sindicato fala em adesão total à greve de tripulantes até às 08:30

“O balanço é prematuro, uma operação da TAP inicia-se por volta das 05:30 da manhã, o que sabemos até à data é que nenhum voo saiu sem ser serviços mínimos ou Portugália, portanto até agora a adesão é total”, disse à Lusa o presidente do SNPVAC, Ricardo Penarroias, no aeroporto de Lisboa, cuja operação, às primeiras horas da manhã, funcionava dentro da normalidade.

Ocean Winds vence leilão e vai desenvolver projeto eólico offshore flutuante até 2 GW na Califórnia

A Ocean Winds – um consórcio da EDP Renováveis e da francesa Engie – e o Canada Pension Plan Investment Board vão desenvolver um projeto eólico offshore ao largo da costa central da Califórnia, comunicou esta manhã a EDP à CMVM. Em causa está uma licença com direitos de gestão de 32,5 mil hectares naquela área.

EDP conclui venda da central hidroeléctrica de Mascarenhas no Brasil

Com esta transação, a EDP reduz o peso da geração convencional e, nomeadamente, da exposição hídrica no Brasil, em linha com o plano estratégico 2021-2025 apresentado ao mercado em fevereiro de 2021.
Comentários