Madeira: Hospital Dr. Nélio Mendonça recebe solução 5G da NOS para cirurgias remotas

O sistema que dá suporte à solução é composto por dois smartglasses Vuzix e dois hotspots 5G equipados com cartões 5G.

A NOS em parceria com a Johnson & Johnson MedTech implementou uma solução de apoio remota aos profissionais de Saúde no Hospital Dr. Nélio Mendonça, no Funchal, que já está integralmente coberto com rede 5G.

Tendo a Johnson & Johnson MedTech como parceiro tecnológico, a solução de assistência remota estabelece uma ligação de vídeo de alta-definição 4K entre dois profissionais de Saúde que estejam ligados remotamente, utilizando os smartglasses.

Esta solução possibilita o recurso a um apoio especializado a qualquer momento, esbatendo as distâncias físicas entre profissionais e permitindo ainda uma maior monitorização dos processos.

Atualmente esta solução está implementada nas áreas de Hemodinâmica e no Centro de Simulação Clínica do Hospital, onde a plataforma digital de assistência remota é também utilizada para efeitos de formação médica e treino hospitalar.

A partilha de conhecimento e informação acontece com especialistas localizados à distância e que, remotamente, interagem em tempo real.  Foi possível, ao dia de hoje, ter um especialista remoto em Lisboa que pôde acompanhar e dar suporte aos médicos no laboratório de Hemodinâmica do Hospital Dr. Nélio Mendonça, no Funchal, durante a ablação de uma taquicardia supraventricular.

O sistema que dá suporte à solução é composto por dois smartglasses Vuzix e dois hotspots 5G equipados com cartões 5G.

O Administrador Executivo da NOS, Manuel Ramalho Eanes, sublinha que “este é um dia especial para a Madeira e para o setor da saúde em Portugal. Graças à rede 5G da NOS, o Hospital Dr. Nélio Mendonça, os seus profissionais e os seus utentes, beneficiam agora de uma solução inovadora, com potencial para revolucionar tanto os procedimentos, como a formação médica”.

“O 5G está a potenciar grandes avanços tecnológicos, que vão permitir um futuro melhor para todos os portugueses. Como empresa líder na entrega do 5G, que cria mais valor para as pessoas, para as empresas e para o País, a NOS está hoje a apoiar a Região Autónoma da Madeira a construir esse futuro”, frisa ainda.

Já a Country Manager da Johnson & Johnson MedTech, Ana Ayres, realça que “nas últimas décadas, assistimos ao desenvolvimento galopante das tecnologias aplicadas à área da saúde e a Covid-19 veio acelerar a implementação de novas abordagens por parte da Johnson & Johnson MedTech, nomeadamente, em áreas como o telementoring, realidade virtual e aumentada. Nesse sentido, esta parceria com a NOS, e a utilização do 5G, vem possibilitar a junção da tecnologia ao serviço da saúde, aproximando o corpo clínico do Hospital da Madeira com líderes de opinião através da utilização de uma solução que permite o acompanhamento remoto do procedimento e possibilidade de discussão clínica em tempo real”.

“A combinação destas tecnologias, potencia a formação continuada dos profissionais de saúde e o tratamento diferenciado dos pacientes. Adicionalmente, como companhia, pretendemos dar o nosso contributo para a execução da transição digital na área da saúde”, destaca.

A NOS refere que está já a trabalhar em novas aplicações da quinta geração de comunicações móveis no setor da saúde, com a implementação de soluções que recorrem à sensorização para monitorização em internamento domiciliário, e soluções de remote healthcare, para colaboração médica à distância.

Recomendadas

Madeira: Expo Pecuária regressa à Ponta Delgada este fim de semana

O evento, que se realiza este fim de semana, dias 25 e 26 de junho, vai já na sua sétima edição, tendo sido cancelado em 2020 e 2021 devido à pandemia por Covid-19.

Madeira recebe evento de agentes de viagem de luxo

O evento será realizado no Reid’s Palace, a Belmond Hotel, e conta com o patrocínio da Associação de Promoção da Madeira, do Savoy Palace, do DMC Madeira, do Reid’s Palace e da Quinta Jardins do Lago.

Madeira: JPP insiste na redução do IVA da eletricidade

“Sendo um bem essencial e indispensável para a nossa vida, não faz qualquer sentido que a eletricidade continue a ser taxada com a taxa intermédia, quando todos sabemos que a eletricidade é um bem essencial, e como tal, terá de ser taxada à taxa mínima”, frisou.
Comentários