Madeira: JPP quer aumento de seis cêntimos ao quilo para produtores de cana-de-açúcar

O JPP considera “urgente” a aprovação, na Assembleia da Madeira, deste apoio direto ao produtor de cana-de-açúcar. “Se a maioria parlamentar PSD/CDS assim o permitir, serão cerca de 1.300 produtores de cana sacarina cujo rendimento pode ser aumentado em até 20%, num aumento de seis cêntimos por cada quilo de cana de açúcar entregue nos engenhos”, explicou.

O JPP apresentou um diploma na Assembleia Legislativa da Madeira (ALRAM) que visa a criação de mecanismos que levem ao aumento do valor pago, em 6 cêntimos por quilo de cana-de-açúcar, aos produtores, diploma esse que será discutido na próxima semana no Parlamento madeirense.

O vice-presidente do grupo parlamentar Rafael Nunes, numa iniciativa decorrida na ALRAM, destacou a importância de viabilizar esta proposta do JPP considerando o “aumento exponencial dos custos de produção” como sejam “o adubo, os combustíveis e, os próprios produtos resultantes da cana”, reforçando que “o que não aumenta é o pagamento por quilo de cana”.

Rafael Nunes realçou a “pressão que o JPP tem feito no sentido de aumentar o rendimento do produtor de cana sacarina” o que resultou numa “cedência que, no nosso entender, é residual. Falamos de um aumento previsto de apenas dois cêntimos, mas que só será pago no próximo ano”, destacou.

“Um Governo Regional que gasta milhões de euros em campos de golfe, milhões de euros em projetos falidos que não trazem qualquer tipo de retorno para a Região, que gasta milhões de euros no museu da banana e em tantos outros disparates, certamente terá como apoiar com um valor direto ao produtor de cana que, como sabemos, é a matéria prima de diversos produtos que são ex-libris da Região e falamos, por exemplo, da aguardente do bolo de mel e das broas de mel”, acusou ainda o porta-voz da iniciativa.

O JPP considera “urgente” a aprovação, na Assembleia da Madeira, deste apoio direto ao produtor de cana-de-açúcar. “Se a maioria parlamentar PSD/CDS assim o permitir, serão cerca de 1.300 produtores de cana sacarina cujo rendimento pode ser aumentado em até 20%, num aumento de seis cêntimos por cada quilo de cana de açúcar entregue nos engenhos”, explicou.

“Neste momento, recorde-se, a cana-de-açúcar está a ser vendida pelo valor total de 30 cêntimos, dos quais 17 cêntimos são pagos por fundos comunitários e 13 cêntimos são pagos pelos industriais”, vincou Rafael Nunes.

O deputado reforçou ainda a importância da produção de cana-de-açúcar, “que, neste momento, supera as dez mil toneladas por ano sendo por isso mais do que justo que o Governo Regional aumente o valor pago ao produtor em seis cêntimos por quilo”.

“Apenas com um verdadeiro investimento será valorizado este produto, a agricultura, o trabalho dos nossos agricultores e a economia regional agrícola”, concluiu.

Recomendadas

Parlamentos da Madeira e dos Açores defendem alargamento dos apoios nacionais às empresas das ilhas

Esta medida “visa estender às regiões autónomas um apoio nacional às empresas, consagrado no diploma que fixa o salário mínimo nacional. Um apoio que neste momento está consagrado apenas para o território continental”, salientou o deputado do PSD Brício Araújo, presidente da comissão Especializada de Administração Pública, Trabalho e Emprego da Assembleia Legislativa da Madeira.

OE2022: PSD lamenta ausência de financiamento adicional da Universidade da Madeira

O deputado do PSD Válter Correia criticou a falta de soluções no Orçamento do Estado de 2022 (OE2022) para a questão do financiamento adicional dos estabelecimentos públicos de ensino superior das regiões autónomas, em particular da Universidade da Madeira. “Tratar com equidade os estabelecimentos de ensino superior insulares é uma responsabilidade constitucional do Estado, cuja […]

Açores: empresários de São Jorge querem “apoios imediatos” à liquidez

Os empresários referem que o tecido empresarial da ilha “estava fragilizado pela situação pandémica”, acrescentando que a situação sísmica “veio agravar as dificuldades de recuperação económica”.
Comentários