Manifestações pelo direito ao aborto reúnem milhares em França

Várias manifestações ocorreram hoje em França em defesa do direito ao aborto e para manifestar apoio às mulheres norte-americanas, depois da decisão, na semana passada, do Supremo Tribunal dos Estados Unidos, de revogar esse direito.

Àfrente da manifestação em Paris, Suzy Rojtman, do coletivo nacional “Aborto na Europa – as Mulheres Decidem”, disse temer que, dada “a importância dos Estados Unidos no mundo”, o direito ao aborto esteja a regredir “em todos os lugares” e que “os países se inspirem nos Estados Unidos para negar esse direito fundamental”.

A organização “Aborto na Europa – As Mulheres Decidem” junta associações feministas, sindicatos e partidos políticos, tendo sido realizadas cerca de trinta manifestações que reuniram um total de cerca de 6.500 pessoas em França, segundo o Ministério do Interior.

Na capital francesa, onde cerca de 1.500 pessoas marcharam, segundo dados oficiais, uma jovem de 16 anos, Thaïs, exibia um cartaz com a frase “130 centros de aborto fecharam em 15 anos” em França e manifestava preocupação pelo “efeito bola de neve” da decisão do Supremo norte-americano.

Os manifestantes – incluindo homens e muitas mulheres jovens – marcharam cantando “De Nova Iorque a Paris, aborto livre e livre”.

Nos cartazes, muitos deles escritos em inglês, podia ler-se “O aborto salva vidas”, “Tire as suas leis do meu corpo” ou “Deixe as mulheres em paz de uma vez”.

O Supremo Tribunal dos Estados Unidos decidiu anular, em 24 de junho, a garantia legal federal ao aborto em todo o país, cabendo agora aos 50 estados norte-americanos decidir se mantêm ou proíbem a interrupção voluntária da gravidez.

Metade dos estados do país, de acordo com o Instituto Guttmacher, já proibiu o procedimento ou está a pensar fazê-lo.

Relacionadas

Supremo Tribunal do Texas restaura lei de 1925 que proíbe aborto

O Supremo Tribunal do Texas, nos Estados Unidos da América, restaurou uma lei de 1925 que proíbe o aborto, depois de o Supremo Tribunal Federal ter acabado com a proteção ao aborto.

Aborto banido ou restringido em 21 estados dos EUA após revogação federal

A decisão do Supremo já se fez sentir por todo o país e, na sexta-feira, Biden disse que quer proteger direito a viajar para abortar e pílulas abortivas.

Helena Coelho arrasa Miguel Milhão da Prozis: “Não compro uma única coisa mais…”

O fundador da Prozis, Miguel Milhão, está no centro da polémica, após concordar com a decisão do Supremo Tribunal dos Estados Unidos em revogar a lei do aborto, que vigorava há mais de 50 anos. Perante a sua posição, várias figuras públicas deixaram de colaborar com a marca de nutrição desportiva, como é o caso de Jessica Athayde, Marta Melro ou Diana Monteiro. A apresentadora Helena Coelho é uma das mais críticas: “é a prepotência e arrogância de quem “não precisa de Portugal”.
Recomendadas

Cinco conglomerados chineses deixam “voluntariamente” Bolsa de Nova Iorque

As petrolíferos Sinopec e PetroChina, a subsidiária da Sinopec com sede em Sangai, a seguradora China Life Insurance e a gigante de alumínio Chalco figuram na lista da SEC, regulador do mercado norte-americano, ameaçadas de expulsão de Wall Street no caso de não cumprimento dos novos requisitos de auditoria.

PremiumPrimeiro-ministro assume postura de moderação

Um objetivo politicamente aceitável e o fim da intervenção militar em Gaza mal esse objetivo foi alcançado e antes que se tornasse incontrolável. A poucos meses das eleições, Yair Lapid não abre mão da segurança, mas quer ser diferente.

Angola vai a votos dia 24. Eleitores residentes fora do país podem votar pela primeira vez

Nestas quintas eleições da história participam sete partidos e uma coligação e além da primeira participação de dois partidos, o Partido Humanista (PH) e o Partido Nacionalista da Justiça em Angola (P-Njango).
Comentários