Manuel Pinho usou perdão fiscal para legalizar 2,7 milhões de euros

O dinheiro estava em ‘offshores’ e o Ministério Público quer saber se o ex-ministro o transferiu para Portugal.

O antigo ministro da Economia Manuel Pinho aderiu ao Regime Excecional de Regularização Tributária, durante o governo de Pedro Passos Coelho, para legalizar mais de 2,7 milhões de euros, revela a edição do “Correio da Manhã” (CM) desta quarta-feira, 5 de dezembro.

O montante estava em contas bancárias de sociedades offshores na Suíça, no final de 2010, das quais o ex-governante e a mulher, Alexandra Fonseca Pinho, eram os beneficiários. O Ministério Público pretende apurar se o ex-ministro o transferiu para Portugal.

Para legalizar aquele valor, Manuel Pinho pagou uma taxa de IRS de 7,5%, pagando de imposto cerca de 204 mi euros, de acordo com os autos do caso EDP consultados pelo CM.

Relacionadas

PremiumBanco de Portugal enviou à Justiça dados de perdão fiscal a Manuel Pinho

O Ministério Público suspeita que o ex-ministro terá usado programas de perdão fiscal para legalizar dinheiro pago pelo BES. Em julho, solicitou ao BdP informações sobre adesões aos RERT.

Manuel Pinho volta à comissão de inquérito de Energia a 20 de dezembro

O antigo governante propôs as datas de 18, 19 e 20 de dezembro e a comissão parlamentar de inquérito às rendas excessivas da energia escolheu a última.
Recomendadas

Porto Law Summit debate as novas condicionantes da profissão

Qual é o impacto da tecnologia no sector? Em que áreas? Com certeza na capacidade de concorrência. Mas também na criação de condições para novas formas de abordar a profissão: o teletrabalho. O ex-ministro Rui Gomes da Silva ‘estragou a festa’: os advogados que ficarem casa “serão irrelevantes”.

Porto Law Summit debate prós e contras das sociedades multidisciplinares

As sociedades multidisciplinares – uma espécie de loja do cidadão onde um cliente passará a encontrar uma multiplicidade de serviços – estão a chegar. Mas não é claro se os advogados estão disponíveis para as aceitar. O bastonário definitivamente não está.

Conselho de Ministros gastou um milhão em equipamento informático

Um mês depois de o NOVO ter noticiado que o Conselho de Ministros gastou um milhão em equipamento informático, a Polícia Judiciária entrou na sede da Presidência do Conselho de Ministros para fazer buscas. O alvo principal da operação é o próprio secretário-geral, David Xavier, suspeito de corrupção na aquisição de sistemas informáticos para o Estado.
Comentários