Maus resultados eleitorais levam à demissão dos chefes de gabinete de Theresa May

Fiona Hill e Nick Timothy eram conselheiros de Theresa May desde que esta assumiu a pasta do Ministério do Interior, entre 2010 e 2016.

Stefan Wermuth / Reuters

Nick Timothy e Fiona Hill, os dois chefes de gabinete da primeira-ministra britânica, Theresa May, anunciaram hoje a sua demissão. A perda de maioria absoluta no parlamento pelos conservadores é uma das causas apontadas para a demissão, que acontece a poucos dias do início das negociações da saída do Reino Unido da União Europeia.

“Assumo as responsabilidades na parte que me toca nesta campanha eleitoral e que têm a ver com a supervisão do programa”, escreveu Nick Timothy numa carta publicada no site ConservativeHome. Depois da carta se ter tornado pública, Fiona Hill seguiu os mesmos passos e, de acordo com um porta-voz do partido Conservador britânico, apresentou também a sua demissão do cargo.

A posição destes conselheiros estava já fragilizada e, segundo a imprensa internacional, já havia pressão sobre a primeira-ministra britânica para que estes abandonassem os cargos, caso contrário  May poderia defrontar-se com uma rebelião ou cisão no seio do partido com vários deputados a defenderem que a líder só conseguiria manter a sua posição com a saída de Timothy e Hill.

Fiona Hill afirmou que “foi um prazer” trabalhar com uma “excelente primeira-ministra”.

“Não tenho qualquer dúvida de que Theresa May vai continuar a servir e a trabalhar arduamente como primeira-ministra — e fará isso de forma brilhante”, disse ainda.

Fiona Hill e Nick Timothy eram conselheiros de Theresa May desde que esta assumiu o cargo no Ministério do Interior, entre 2010 e 2016.

A primeira-ministra britânica já referiu que irá formar um Governo com o apoio do Partido Unionista Democrático da Irlanda do Norte para garantir uma maioria absoluta na Câmara dos Comuns.

Recomendadas

Corbyn falha ‘high five’ com colega de partido e anima redes sociais

A peripécia com o ‘pouco’ derrotado da noite de ontem, o líder do Partido Trabalhista, está a ser um dos sucessos do pós-votação.

Brexit: Europa está “unida, coesa e preparada” para as negociações com Reino Unido

Marcelo Rebelo de Sousa recusou-se a comentar os resultados eleitorais do Reino Unido e o ministro dos Negócios Estrangeiros português assegura que a União Europeia vai “negociar as condições da saída com o Reino Unido (…) com toda a boa-fé”.

Bruxelas disposta a abrir negociacões sobre o brexit já amanhã

Donald Tusk declara saber quando terminarão as negociações do Brexit; Jean-Claude Juncker diz que a Comissão Europeia está pronta para abrir as negociações “amanhã de manhã”. A Europa parece não querer esperar mais pelo Brexit.
Comentários