Médicos especialistas da UE apoiam criação de medicina de urgência em Portugal

A Secção de Medicina de Urgência, da União Europeia de Médicos Especialistas (UEME), escreveu ao Presidente da República, primeiro-ministro e presidente da Ordem dos Médicos a sensibilizar para a criação da especialidade de medicina de urgência e emergência.

Na carta endereçada ao bastonário da Ordem dos Médicos (OM), a que a Lusa teve acesso (idêntica às outras duas), Ruth Brown, presidente da secção e do conselho de Medicina de Urgência, da UEME, diz que a criação da especialidade vai beneficiar a população portuguesa, mas também garantirá formação especializada ao pessoal médico.

Escrevo “para apoiar fortemente o desenvolvimento da Medicina de Urgência como especialidade primária em Portugal”, diz a responsável, acrescentando que tal beneficiará não só os portugueses, “ao assegurar cuidados de alta qualidade aos pacientes nas situações mais urgentes, incluindo os que são vulneráveis e têm dificuldades de acesso aos cuidados”, como também garantirá que o pessoal médico dos departamentos de emergência recebam formação especializada.

Ruth Brown explica na carta que a UEME existe para promover a mais alta qualidade de formação de especialistas médicos, e para promover a livre circulação de médicos especialistas dentro da União Europeia (UE).

E recorda que, embora reconhecendo o benefício e a autonomia de cada país e dos seus diferentes sistemas de saúde e prática médica, a direção-geral da UE considerou o reconhecimento mútuo de qualificações e formação na “Diretiva dos Médicos”, em 1993.

“A medicina de emergência é uma especialidade primária em 16 países no Anexo V da Diretiva 2005/36/CE, atualizada. Houve mais desenvolvimentos desde essa última atualização e agora a maioria dos países da UE (22 dos 31 membros da UEME) têm a especialidade de Medicina de Urgência”, diz a responsável na carta.

No documento a presidente lembra que a secção de Medicina de Urgência já tem representantes da Sociedade Portuguesa de Medicina de Urgência e Emergência (SPMUE), os quais apoia fortemente para a adesão de Portugal ao grupo de países que têm a especialidade de medicina de urgência e emergência.

A SPMUE já pediu à Ordem dos Médicos (OM) que avance com a criação da especialidade em Medicina de Urgência e Emergência, estando agora o processo na Assembleia de Representantes da OM, como explicou à Lusa o médico Nuno Catorze, que representa Portugal na secção de Medicina de Urgência da UEME.

Nuno Catorze disse à Lusa que a carta agora enviada é uma sensibilização para a importância a criação da especialidade, que além de uniformizar o trabalho dentro da UE também ajudaria na resolução dos problemas das urgências hospitalares que Portugal tem enfrentado recentemente.

Agora um especialista em urgência médica de um país onde a especialidade existe não é reconhecido em Portugal, assinalou Nuno Catorze.

“O que se pretende é que a especialidade seja complementar no Serviço de Urgência, não há aqui usurpação de lugares”, disse Nuno Catorze, salientando que permite acabar com atuais problemas, e explicando que numa primeira fase, caso avance a especialidade, seriam reconhecidas competências adquiridas.

Com a especialidade, disse, o que se pretende acima de tudo é aumentar a qualidade junto dos doentes.

Vitor Almeida, vice-presidente da SPMUE, também à Lusa, disse que a proposta para a criação da especialidade data de 2019 e que ela existe em “quase todos os países” da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE).

“Como médicos temos a obrigação moral de apoiar este processo”, disse.

A SPMUE lançou um manifesto, assinado por mais de mil profissionais, a defender a criação desta especialidade médica.

Recomendadas

Investigadores da UC testam técnica inovadora no tratamento do cancro do pulmão

Uma equipa de investigadores da Universidade de Coimbra testou, pela primeira vez em Portugal, a Imuno-PET, uma técnica inovadora que pode ajudar a prever a resposta aos tratamentos de imunoterapia, terapêutica utilizada em doentes com cancro do pulmão.

Governo dos Açores anuncia seis milhões de euros para medicamentos para idosos

O vice-presidente do Governo dos Açores, Artur Lima, anunciou este sábado que o Plano e Orçamento de 2023 irá prever uma verba “histórica” para o Compamid, que apoia os idosos na aquisição de medicamentos, de seis milhões de euros.

Isolamento deixa de ser obrigatório para infetados com Covid-19

O Ministério da Saúde também aponta que os testes a covid-19 deixam de ser prescritos via SNS 24
Comentários