Ministério da Educação confirma que escolas vão começar ano letivo sem medidas de combate à covid-19 (com áudio)

“Não existem medidas específicas para as escolas, e de acordo com as orientações da DGS, compete a cada um o cumprimento de medidas não farmacológicas de prevenção da infeção, na perspetiva de saúde pública”, revela a tutela ao “Público”.

As escolas portuguesas vão iniciar o ano letivo de 2022/2023 sem quaisquer “medidas específicas para as escolas” no âmbito do combate à pandemia, como havia sido feito nos dois anos passados, confirmou o “Público” junto do Ministério da Educação (ME).

“No contexto atual, a abordagem aos casos de suspeita ou confirmação de infeção por SARS-CoV-2 é implementado através das medidas e ações constantes na Norma 004/2020, cuja última atualização data de 06/07/2022. Deste modo, não existem medidas específicas para as escolas, e de acordo com as orientações da DGS, compete a cada um o cumprimento de medidas não farmacológicas de prevenção da infeção, na perspetiva de saúde pública”, consta da resposta escrita enviada pela tutela à mesma publicação.

De acordo com o “Público”, os diretores das escolas ainda não foram informados pelo ministério ou pela DGS.

O presidente da Associação Nacional de Diretores de Agrupamentos e Escolas Públicas (ANDAEP), Filinto Lima, sublinhou que os diretores escolares esperam que “este seja um ano de regresso à normalidade das escolas antes da pandemia, um ano letivo sem quaisquer medidas” obrigatórias de combate à propagação do vírus responsável pela covid-19.

Recomendadas

Entregas ao domicílio da IKEA serão totalmente elétricas até 2025, diz CEO

A meta para 2030 é ser uma empresa positiva para o clima, isto é, reduzir mais gases de efeito estufa do que aqueles que são emitidos por toda a sua cadeia de valor.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta segunda-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta segunda-feira.

Sete anos de prisão para ex-bancário que se apropriou de meio milhão de euros de clientes

O Tribunal de Aveiro condenou hoje a sete anos de prisão um ex-funcionário bancário, de 47 anos, que se apropriou de mais de meio milhão de euros de vários clientes de uma instituição bancária de Estarreja.
Comentários