Ministra reitera aos pensionistas que em 2024 “ninguém receberá” menos do que em 2023 (com áudio)

“Ninguém consegue, neste momento, de uma forma segura, certa, fiável, antecipar o que vai acontecer em 2023 e a evolução, seja da inflação, seja da guerra”, frisou Ana Mendes Godinho, desmentindo rumores em contrário.

A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, reiterou esta quarta-feira que “ninguém receberá” em 2024 menos de pensão do que em 2023 e que a atualização de valores está sujeita à evolução de vários fatores.

“Para o ano de 2024, aquilo que transmitimos é o que pode ser transmitido nesta fase, em função da incerteza sobre a evolução da inflação, a evolução das consequências da guerra [na Ucrânia], que determinarão a decisão sobre o que se fará em 2024, com a certeza de que ninguém receberá menos [de pensão] em 2024 do que estiver a receber em dezembro de 2023. Isso é evidente para todos”, disse a governante, em Faro, à margem da inauguração de um centro de alojamento temporário para pessoas em situação de precariedade.

A ministra ressalvou que “ninguém consegue, neste momento, de uma forma segura, certa, fiável, antecipar o que vai acontecer em 2023 e a evolução, seja da inflação, seja da guerra”. Lembrando que a fórmula de cálculo das pensões “não foi cumprida” em anos em que a sua aplicação “não daria atualizações” face a uma inflação muito baixa, tendo o governo atribuído aumentos extraordinários, Ana Mendes Godinho deixou uma palavra de “confiança” aos pensionistas, que “tem sido sempre preocupação e compromisso permanente” do executivo.

“Aquilo que faremos é, em 2023, avaliar a situação para decidir o que acontece em 2024. Sendo certo que, e voltando a reiterar o que o primeiro-ministro já transmitiu, ninguém receberá em 2024 menos do que receberá em 2023”, insistiu.

Sobre a proposta de atualização das pensões a aplicar em 2023, entre os 3,5% e os 4,43%, consoante o valor da pensão, constante em proposta de lei enviada à Assembleia da República, Ana Mendes Godinho destacou que se trata do “maior aumento” desde a entrada no euro.

“Se olharmos para o histórico, é o maior aumento de pensões desde que entrámos no euro. Tivemos um aumento de 3,5% para as pensões mais baixas em 2001 e 2002 e, desde aí, não houve qualquer atualização sequer semelhante a este valor”, frisou.

O Governo apresentou na segunda-feira um pacote de medidas para apoiar os rendimentos devido ao aumento da inflação, que incluem o pagamento extra de meia pensão, que será efetuado em outubro e um apoio de 125 euros que vai ser dado a todos residentes não pensionistas com um rendimento mensal bruto até 2.700 euros.

Relacionadas

Pensionista médio vai perder 250 euros anuais a partir de 2024, estima Bagão Félix

O economista António Bagão Félix estima que os pensionistas vão ter uma perda anual de cerca de 250 euros com a atualização das pensões no próximo ano numa percentagem inferior à que resultaria da fórmula prevista na lei.
Recomendadas

5 de outubro: Montenegro acusa Governo de degradar ambiente político com casos

Luís Montenegro falava aos jornalistas no final da cerimónia oficial das comemorações do 112.º aniversário da implantação da República em Portugal, na qual o Presidente da República falou dos governos que “tendem quase sempre a ver-se como eternos” e das oposições “quase sempre a exasperarem-se pela espera”, afirmando em seguida que “nada é eterno” e que “a democracia é por natureza o domínio da alternativa, própria ou alheia”.

Primeira-ministra dinamarquesa convoca eleições antecipadas para novembro

O Partido Social Liberal, uma das formações que dá maioria ao Governo social-democrata, tinha ameaçado Frederiksen com uma moção de censura se não convocasse eleições, após apresentar em junho um relatório crítico sobre a gestão feita pelo executivo em relação ao abate de milhões de visons, devido a uma mutação do coronavírus.

Itália. Governo Meloni deverá misturar técnicos e fiéis da líder

O próximo Governo de Itália, chefiado por Giorgia Meloni, deverá combinar figuras de renome técnico, em pastas cruciais para as relações com Bruxelas, e fiéis da futura primeira-ministra, segundo analistas ouvidos pela Lusa.
Comentários