Ministro do Ambiente reconhece que “é inevitável” contratar mais trabalhadores para o Metro de Lisboa

Duarte Cordeiro, ministro do Ambiente e da Ação Climática, disse que até ao final do mês de junho serão iniciados os procedimentos para as contratações no Metro de Lisboa.

O ministro do Ambiente e da Ação Climática, Duarte Cordeiro, admitiu este sábado que o Metropolitano de Lisboa precisa de mais trabalhadores e disse que até ao final do mês de junho serão iniciados os procedimentos para essas contratações.

Numa visita ao estaleiro das obras de expansão da rede de metro de Lisboa, no troço compreendido entre o Rato e a Estrela, Duarte Cordeiro disse ter “plena consciência” de que é preciso reforçar o número de trabalhadores da empresa Metropolitano de Lisboa de modo a garantir, não só a oferta atual, mas também o aumento expectável na sequência da expansão da rede.

Em causa, salientou, está a expansão do metro na linha circular, que une as Linhas Amarela e Verde – Rato/Cais do Sodré, mas também a expansão da Linha Vermelha, que já está em discussão pública, e o que venha a ser o reforço entre Loures e Odivelas.

“É inevitável o aumento dos recursos humanos, nomeadamente de maquinistas no metro, e nós sabemos que temos de o fazer”, disse o ministro, em declarações aos jornalistas, no final da visita, que incluiu fazer a pé o trajeto pelo túnel entre a Estrela e o Rato, no caso até ao Liceu Pedro Nunes.

De acordo com o governante, da parte dos sindicatos há pedidos para um reforço imediato de 30 maquinistas e Duarte Cordeiro garantiu estar a “trabalhar para durante este semestre poder confirmar o reforço dos trabalhadores e fazer o que é a necessária progressão interna para a carreira de maquinista”.

O ministro explicou que os trabalhadores que venham a ser contratados não entram no imediato para a função de maquinista e que há também a possibilidade de ser aberto concurso interno dentro do Metro de Lisboa especificamente para essa função.

“Procuraremos no primeiro semestre deste ano dar nota de qual é o prazo em que vamos abrir esses concursos”, acrescentou.

Duarte Cordeiro frisou que irá “procurar contabilizar o que são no imediato medidas que permitam melhorar as condições de trabalho e ao mesmo tempo desbloquear aquilo que é a greve ao trabalho suplementar, que também afeta aquilo que é a atividade do metropolitano de Lisboa”.

Segundo o ministro, esse trabalho vai continuar a ser feito “durante esta semana” e Duarte Cordeiro disse acreditar que é possível “chegar a bom porto” nas negociações com os sindicatos.

“Há consciência de que são necessárias tomar medidas, por um lado, algumas de natureza operacional que melhorem as condições de trabalho dos trabalhadores, por outro lado medidas que permitam reforçar os trabalhadores do metro de Lisboa, reforço esse que será inevitável, para o qual estamos a trabalhar e que esperamos em muito breve prazo dar resposta”, apontou.

Com isto, Duarte Cordeiro espera que seja possível “desconvocar as greves ao período suplementar” e “minimizar o impacto na vida das pessoas e continuar a recuperar os passageiros para o período antes da pandemia”.

Recomendadas

À beira dos 100 anos de vida, Disney está prestes a perder os direitos sobre o Mickey

Os direitos de autor sobre a personagens estão quase a expirar e vão passar para domínio público, como consequência da lei dos Estados Unidos.

Jogos Olímpicos 2024. Empresa portuguesa recebe cinco milhões para construção arquitetónica

O contrato está inserido numa operação de 136 milhões de euros e visa a construção da Arena Porte de la Chapelle, que vai servir de palco para os Jogos de 2024.

MP pede ao Tribunal da Concorrência para manter coima de 48 milhões à EDP e empresa pede absolvição

O Ministério Público pediu hoje ao Tribunal da Concorrência para manter a coima de 48 milhões de euros aplicada à EDP Produção por abuso de posição dominante, tendo a empresa defendido a absolvição “pura e simples”.
Comentários