Moedas defende aumento de efetivos da Polícia Municipal de Lisboa

O presidente da Câmara de Lisboa defendeu hoje a necessidade de aumentar os efetivos da Polícia Municipal, o que depende da disponibilidade de recursos da Polícia de Segurança Pública (PSP), alertando o Ministério da Administração Interna para a situação.

“O número de polícias municipais está muito abaixo daquilo que era necessário. Nós temos à volta de 450 e precisávamos de ter 600 polícias em Lisboa”, afirmou Carlos Moedas (PSD), explicando que o recrutamento de mais efetivos depende da PSP, porque os agentes que trabalham na Polícia Municipal são oriundos da PSP.

À margem da inauguração da Escola Básica Teixeira de Pascoais, na freguesia lisboeta de Alvalade, o autarca de Lisboa disse que “a Polícia Municipal é essencial para a cidade”, realçando o papel “importantíssimo” desta força de segurança, inclusive no âmbito da pandemia de covid-19.

Após uma entrevista do comandante da Polícia Municipal de Lisboa, Paulo Caldas, em que alerta que a força que dirige “corre risco de existência” a partir de 2024, Carlos Moedas considerou que o importante a reter é: “Precisamos de mais polícias municipais”.

“Penso que o pedido que foi feito pelo senhor comandante e que estou de acordo é alertar o próprio Ministério da Administração Interna para essa necessidade de termos mais quadros, portanto estou disposto e quero aumentar o número de efetivos, mas estou dependente, efetivamente, que esses efetivos possam vir da PSP para a Polícia Municipal”, declarou o presidente da Câmara de Lisboa.

Carlos Moedas assegurou que irá “continuar a lutar” por ter mais efetivos na Polícia Municipal, porque “é importantíssimo que isso aconteça”.

“Também é importante ter mais efetivos na própria PSP e, para isso, temos de ajudar o mais que podemos, por exemplo, em ter projetos que possam trazer os polícias para Lisboa, os jovens polícias que muitas vezes não têm condições para viver em Lisboa”, referiu o autarca.

Entre as medidas para atrair polícias para trabalharem em Lisboa está a construção de habitação, por exemplo, residências e apartamentos, “para poder receber polícias que hoje têm grandes dificuldades económicas, porque os salários são baixos e não conseguem viver na capital”, apontou o social-democrata.

Outra das propostas da Câmara de Lisboa é o aumento do número de subsídios ao arrendamento habitacional, duplicando esse apoio social para a atribuição de “até 1.000 subsídios”, medida que será incluída no plano anti-inflação do município, indicou Carlos Moedas, explicando que essa apoio permite que “a renda que as pessoas pagam não exceda mais de 30% daquilo que ganham”.

O superintendente Paulo Caldas, que comanda a Polícia Municipal de Lisboa há sete anos, alertou que a força que dirige “corre risco de existência” a partir de 2024, se o estatuto da PSP for aplicado sem qualquer medida travão.

“Em 2024, corro o risco de não ter efetivos suficientes para manter a Polícia Municipal. Ou seja, a partir do próximo ano, começa a tornar-se crítico”, afirmou Paulo Caldas, numa entrevista publicada na edição de hoje do Diário de Notícias.

O comandante da Polícia Municipal afirma ter atingido o pico de efetivos em 2018, “com 588 pessoas”, mas a partir daí começou a queda. Atualmente, conta com “452 efetivos” e há previsões de que “no final deste ano ou de 2023 possa chegar aos 250/300 homens”.

“Se o estatuto de pessoal da PSP for aplicado e não houver anualmente uma medida travão, como tem existido, a Polícia Municipal corre risco de existência a partir de 2024”, alerta.

Paulo Caldas assume que, “apesar da modernização na Polícia Municipal de Lisboa, a par com o reforço de meios operacionais e competências, verifica-se um declínio gradual do número de efetivos”.

Atualmente, a polícia tem um “défice de 160 elementos relativamente ao quadro orgânico de 600 efetivos”, o que limita a intervenção e visibilidade deste força na cidade.

O decréscimo de agentes deve-se essencialmente ao facto de muitos se terem reformado e “não terem sido substituídos”.

Recomendadas

Assinala-se esta segunda-feira o Dia Europeu do Ex-Fumador

O Dia Europeu do Ex-Fumador é celebrado a 26 de setembro, em todos os Estados-Membros da UE, com o objetivo de felicitar todos os que se tornaram ex-fumadores ou que deram os primeiros passos para deixar de fumar, bem como sensibilizar o público para questões de saúde.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta segunda-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta segunda-feira.

Costa anuncia reforço de 1100 efetivos para os quadros da PJ até 2026 (com áudio)

António Costa fez este anúncio na parte final do seu discurso na cerimónia de aceitação de 97 novos inspetores da PJ, em Lisboa, numa sessão em que também usaram da palavra o diretor nacional desta polícia, Luís Neves, e a ministra da Justiça, Catarina Sarmento e Castro.
Comentários