Montenegro sucede a Rio na liderança do PSD

Com ainda pouco menos de um terço dos mais de 30 mil votos por apurar, Luís Montenegro está confirmado como o próximo líder social-democrata e o sucessor de Rui Rio na liderança do PSD.

Com ainda pouco menos de um terço dos mais de 30 mil votos por apurar, Luís Montenegro está confirmado como o próximo líder social-democrata e o sucessor de Rui Rio na liderança do PSD.

Com mais de 16 mil votos já atribuídos a Montenegro e o seu opositor, Jorge Moreira da Silva, ainda abaixo dos 6 mil, os 8 mil votos por apurar já não seriam suficientes para retirar a vitória ao antigo líder de bancada social-democrata.

Com metade dos votos contabilizados, Luís Montenegro registava quase 75% das intenções dos militantes sociais-democratas, tornando bastante improvável que o resultado se invertesse. O antigo vereador da Câmara Municipal de Espinho, de onde é natural, e líder de bancada nos tempos de Passos Coelho sucede assim a Rui Rio na liderança do PSD.

Aquando da sua ida às urnas este sábado, Montenegro garantiu que a sua candidatura iria levar o partido a “reencontrar-se com os portugueses”, isto depois de ter já concorrido à liderança em 2020. Na altura, acabou por perder contra o presidente a quem agora sucede.

Em sentido inverso, Jorge Moreira da Silva acabou por ter um resultado desapontante, como ficava espelhado na sua sede de candidatura. O seu coordenador de campanha já reconheceu a derrota.

[notícia atualizada às 21h50]

Recomendadas

Marcelo diz que “não pode haver sombra de dúvida sobre a constitucionalidade” do diploma dos metadados

“A melhor maneira é a fiscalização preventiva por parte do TC, antes de assinar, antes de promulgar”, afirmou o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

JSD propõe primárias para eleger presidente e congressos antes da votação

Moção da Juventude Social-Democrata apela a “reforma interna” do partido e será votada no 40.º Congresso do PSD – que se realiza no próximo fim de semana, no Porto.

Oceanos. Projeto de extensão da plataforma continental portuguesa é complexo e pandemia atrasou avaliação

Aldino Campos, português membro da Comissão da ONU que avalia propostas apresentadas por vários países, afirma que, “face à experiência da Comissão dos Limites da Plataforma Continental (CLPC) e à dimensão daquilo que é conhecido da nossa proposta, é complexa” e tem “vários layouts”.
Comentários