Montepio vende participação no moçambicano Banco Terra à Arise

Com a venda de 45,78% do capital social do Banco Terra o Grupo Caixa Económica Montepio Geral deixa de deter qualquer participação na instituição financeira de direito moçambicano e cuja posição remonta a 2012.

Cristina Bernardo

A Montepio Holding, participada da Caixa Económica Montepio Geral (CEMG), acordou a venda da participação no BTM – Banco Terra, à Arise, no âmbito da redefinição estratégica das suas participações internacionais.

Com a venda de 45,78% do capital social do Banco Terra, o Grupo Caixa Económica Montepio Geral deixa de deter qualquer participação na instituição financeira de direito moçambicano e cuja posição remonta a 2012. Não foi adiantado o valor da venda.

A venda à Arise – holding criada em conjunto pelo fundo soberano norueguês Norfund, pelo banco de fomento holandês FMO e pelo Rabobank, para apoiar o crescimento em África através de investimentos em instituições financeiras africanas – insere-se no contexto dos movimentos de consolidação que estão a ocorrer no setor financeiro de Moçambique, explica o banco liderado por Carlos Tavares.

“O negócio – que inclui uma opção para uma eventual entrada do Montepio na Arise – vem reforçar e aprofundar a parceria estabelecida entre as duas instituições, que se comprometem a estudar conjuntamente oportunidades futuras de investimento no continente africano”, lê-se na nota enviada à CMVM.

A anterior administração do banco, liderada por José Félix Morgado, tinha outros planos para a participação no banco moçambicano. A Caixa Económica previa passar a exposição a África (o que incluia os 51% do Finibanco Angola e  estes 45,8% do moçambicano Banco Terra) para uma holding que resultaria de uma parceria internacional. O Montepio ficaria com 5% a 7% da holding através da entrega da posição no Finibanco Angola e do Banco Terra. Essa holding chama-se Arise e assim o banco português ficaria com uma parceria em África com  os holandeses do Rabobank e do banco de fomento FMO e o fundo norueguês Norfund.

Mas com a chegada de Carlos Tavares o projeto mudou. O atual chairman e CEO da Caixa Económica Montepio Geral suspendeu as negociações que previam uma parceria do Montepio em África.

Notícia atualizada às 19h12

Recomendadas

“Angola representa uma oportunidade para os nossos acionistas”, afirma CEO do Access Bank

“Angola representa uma oportunidade para os nossos acionistas participarem no que acreditamos que irá gerar um valor mais forte à medida que África vai emergindo”, explicou Herbert Wigwe, CEO da Access Holding Pics, numa entrevista exclusiva para a Forbes África Lusófona.

Montepio vende Finibanco Angola a grupo da Nigéria

O Acess Bank é uma entidade detida a 100% pela Access Holdings Plc (Access Corporation), um banco comercial que opera através de uma rede de mais de 700 balcões e pontos de atendimento, abrangendo 3 continentes, 17 mercados e 45 milhões de clientes, segundo o Montepio. Valor não foi divulgado.

Lucros do Banco de Fomento sobem 135% para 22,9 milhões de euros em 2021

“Este aumento explica-se, essencialmente, pelo crescimento do produto bancário que passou de 31,89 milhões de euros, em 2020 para 44,69 milhões de euros no ano em análise”, ou seja, subiu 40%.
Comentários