Morreu o padre António Vaz Pinto

O sacerdote encontrava-se internado desde 8 de junho no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, na sequência de um tumor pulmonar. A notícia foi confirmada pela Província Portuguesa da Companhia de Jesus. António Vaz Pinto tinha 80 anos.

@associação dos antigos alunos do Colégio São João de Brito

“É com enorme pesar e consternação, mas com uma gratidão enorme por tanto bem recebido ao longo de uma vida cheia, que a Província Portuguesa da Companhia de Jesus comunica a morte do P. António Vaz Pinto”, comunicou a Companhia de Jesus.

“O sacerdote jesuíta faleceu esta manhã dia 1 de julho, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, onde estava internado desde o dia 8 de junho”, é ainda referido.

Os Jesuítas em Portugal referem ainda que, a 2 de junho, o sacerdote “tinha celebrado 80 anos com familiares e amigos”, mas “o seu estado de saúde já era grave e três dias depois acabou por ser encaminhado de Évora, onde residia e era Capelão da Santa Casa da Misericórdia, para Santa Maria, tendo o seu estado agravado muito rapidamente”, lê-se no comunicado.

Para além de sacerdote e professor, foi membro fundador do Banco Alimentar contra a Fome, e Alto Comissário para as Migrações e na Companhia de Jesus foi responsável pela criação de várias obras emblemáticas, como os Leigos para o Desenvolvimento e vários centros universitários.

Em 2006, foi distinguido por Jorge Sampaio com a Grande Oficial Ordem Infante D. Henrique.

 

Recomendadas

Portugal-França: a Temporada Cruzada continua a agitar o mês de agosto

Ao oitavo mês, a Temporada Cruzada Portugal-França não dá tréguas a quem procura alimento para os sentidos, com propostas que vão da instalação sonora à subversão do privado. Quem disse que agosto é ‘silly’?

Livro: “Viagens de Mandeville”

A literatura de viagens medieval tinha os seus cânones. Um deles era a descrição de povos grotescos que viveriam do outro lado do mundo. Mandeville, ao narrar as “suas” viagens, não impôs qualquer travão à sua imaginação.

Em modo ‘flâneur’

Para quem ama as cidades, o modo ‘flâneur’ é quando se pode fixar imagens “sem mapa e com uma absurda sensação de descobridor”, como escreveu o arquiteto Siza Vieira.
Comentários