Morte de Rendeiro extingue responsabilidade criminal, mas não civil

Os efeitos criminais dos processos que envolviam João Rendeiro, transitados ou não em julgado, extinguem-se com a morte, mas, do ponto de vista civil, herdeiros que recebam partes da herança serão responsáveis até ao limite do que receberem.

Lusa

Segundo explicou à agência Lusa o advogado Miguel Matias, em relação a todos os processos transitados ou não em julgado, “os efeitos criminais extinguem-se com a morte”.

“Todos os processos que já tinham sido julgados e em que ainda não havia (…) decisão extinguem-se. Nos que já havia condenação transitada em julgado, como foi o que originou o pedido de extradição, também se extingue a pena, por força da morte, mas isto apenas relativamente a João Rendeiro”, afirmou.

O advogado, especialista em Direito Penal, explicou que isto apenas acontece relativamente às responsabilidades criminais de João Rendeiro, e não aos restantes arguidos nos processos.

“Todas as circunstâncias relativas à responsabilidade criminal extinguem-se relativamente a João Rendeiro, mas como há processos onde há mais arguidos, continuam os processos relativamente aos restantes”, explicou.

Já do ponto de vista civil, Miguel Matias explicou ainda: “Convém saber o que é a herança de João Rendeiro e se, porventura, os seus herdeiros vierem a receber montantes relacionados com esta herança, se existirem responsabilidades de João Rendeiro, serão responsáveis até ao limite daquilo que tiverem recebido”.

O antigo presidente do BPP João Rendeiro foi encontrado morto na cadeia onde estava detido, em Durban, na África do Sul, onde aguardava uma decisão sobre o processo de extradição para Portugal.

O ex-banqueiro tinha sido condenado em três processos distintos relacionados com o colapso do Banco Privado Português (BPP), tendo o tribunal dado como provado, num deles, que retirou do banco 13,61 milhões de euros.

Das três condenações, apenas uma já tinha transitado em julgado (cinco anos e oito meses por falsificação informática).

A última condenação ocorreu em setembro do ano passado, quando Rendeiro foi condenado a três anos e seis meses de prisão efetiva, num processo por burla qualificada. Depois disso, esteve fugido à justiça até ser apanhado, em dezembro, na África do Sul.

O colapso do BPP, banco vocacionado para a gestão de fortunas, aconteceu em 2010, já depois do caso BPN e antecedendo outros escândalos na banca portuguesa.

O BPP originou vários processos judiciais, envolvendo burla qualificada, falsificação de documentos e falsidade informática, bem como processos relacionados com multas aplicadas pelas autoridades de supervisão bancária.

O colapso do BPP, em 2010, lesou milhares de clientes e causou perdas de centenas de milhões de euros ao Estado.

Relacionadas

Lesados do BPP dizem que morte de Rendeiro não interfere com processos na justiça

Entre os vários processos na justiça, a associação exige a destituição da Comissão Liquidatária que “arrasta o processo há mais de dez anos, sem dar justificações e com gastos milionários”.

Advogada de Rendeiro comunicou que ia deixar de o representar

June Marks anunciou este semana que ia deixar de representar o ex-banqueiro.

Advogada de Rendeiro vai identificar o corpo e iniciar procedimentos de trasladação

A advogada de João Rendeiro revelou que foi chamada esta sexta-feira para identificar o corpo do ex-presidente do BPP, encontrado morto na prisão de Westville, em Durban, e que vai iniciar os procedimentos da trasladação para Portugal.
Recomendadas

Banco BAI viu lucros em Cabo Verde aumentarem 384% em 2021

O BAI Cabo Verde, participado também pela petrolífera Sonangol, registou um resultado líquido superior a 150,2 milhões de escudos (1,3 milhão de euros).

Banco de Fomento aprova candidaturas ao programa de recapitalização no valor de 77 milhões de euros

Estas são as primeiras operações ao abrigo do programa criado no contexto do Plano de Recuperação e Resiliência “para ajudar a reforçar o capital e a solvência de empresas viáveis”.

Miguel Raposo Alves é o novo CEO do angolano Millennium Atlântico

Além de Miguel Raposo Alves, que assume o cargo de presidente da comissão executiva, o banco passa a contar com Mauro Santos Neves enquanto administrador executivo e com José Carlos Burity na qualidade de administrador independente, não executivo.
Comentários